Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

27/12/2013

"Escrever era como voar..."

Já não escrevo há muito e não sabia eu porquê. A razão descobri-a, afinal, num livrinho com 501 frases que marcaram Portugal e o Mundo, editado pelo Sábado, este ano.


«Escrever era como voar, voar, voar. O fogo era tal que me consumiu. Ficaram só cinzas, e com as cinzas não se faz poesia.» 
Mário Cesariny, poeta e pintor português, 
justificava a decisão de deixar de escrever. 
Jornal de Letras, 24 de Novembro de 2004


Não sei quando voltarei a escrever. Sempre escrevi por necessidade de expressar algo que ficava entalado na garganta. Escrever, para mim, era quase como um alívio, o libertar de um sufoco, um grito que era necessário ou porque precisava de exprimir, ou porque precisava de falar, embora quase fosse com as paredes. Mas era um alívio tão grande quando acabava de escrever e publicava no blog, como se as minhas frustrações, inseguranças, medos, amores e desamores fizessem parte do mundo. Mas se e faço parte do mundo e se sou pessoa, com medos, falhas, coração e sentimentos, não vejo o mal em escrevê-los ao mundo. 
Um dia li algures que o mais difícil na vida era escrever sobre nós próprios e sobre o que sentíamos, e eu sempre achei isso a coisa mais fácil do mundo! Sempre foi fácil escrever o que sentia, dar aos outros uma explicação, porque só através da escrita eu conseguia entender o que sentia e o que pensava. A escrita sempre foi como uma terapia, e assim nunca recorri a cigarros, drogas ou álcool para me entender. Eu sempre fui muito mais impulso que razão, sempre fui muito mais de dar que receber, sempre fui muito mais coração que orgulho. E nem sempre ser assim deu certo. Foi preciso achar o alguém certo, o tal que completasse as minhas falhas, que me amasse mesmo amachucada, que me fizesse sentir preciosa, para eu sentir que afinal não faz mal eu ser como sou. Foi preciso achar alguém que me desse instintivamente aquilo que eu não tenho e que eu lhe desse aquilo que ele não acreditava. 
O amor é muitas coisas. E sempre foi a minha razão de escrever, porque era entre frases soltas ou textos profundos, vindos da alma, que eu buscava na escrita o amor que eu sonhara.
É por isso mesmo que agora já não são precisas mais palavras.


A todos os amores e desamores que aqui escrevi longos e sentidos textos e que me ajudaram, sobretudo, a crescer e a entender o que o amor é para mim, obrigada.
A todos que me leram até hoje, até um dia.
Ao meu amor maior, até amanhã.

Um beijo, Cat.

03/12/2013

Sem ti o tempo não existe. Contigo não dou pelo tempo passar.

E um dia faço um texto bonito sobre isto.

Estudar para Geometria está a ser DRAMÁTICO

Sou dramática. Faço tempestades em copos de água. Tenho a sensação que me tiram o chão, abatem-me o tecto sobre os ombros e metem-me todo o peso do mundo dentro do meu peito.
Sinto um pesar que me cansa, tento erguer-me mas não consigo. Não tenho meios, não tenho força, talvez até nem tenha coragem. Sinto-me burra, impotente, frustrada. É o drama a surgir. É o tempo que não pára e que escasseia para fazer tudo em pouco tempo.
Achava eu que tinha dote de super-mulher e fazer muita coisa bem em pouco tempo, mas isso ficou só nos genes da minha mãe. Eu fiquei com o gene do bloqueio mental, da tentativa frustrada, da inquietude da alma e do coração apertado sabe-se lá porquê.
Sou dramática. Faço tempestades em copos de água. E sinto tudo como se fosse se o mundo fosse acabar já amanhã. Sinto é demais!


Isto a propósito das primeiras frequências em que acompanho tudo nas aulas mas depois não consigo racionalizar como deve ser em casa, a fazer os exercícios... Geometria, dás-me a volta ao estômago, que nem vontade de comer tenho!
Estou triste porque me sinto mesmo muito burra. É só mais um drama à la Catarina.

28/11/2013

#FraseDoDia II


Quem sabe o que vê, sente.

O Nuno é um fotógrafo que admiro imenso desde à uns tempos para cá. Para além de ter a sensibilidade que só um artista ou alguém muito íntimo com as artes consegue ter, tem um talento incrível em transformar as suas ideias e momentos numa imagem só, como se conseguisse captar e congelar aquele momento eternamente.
Eu tive a grande sorte e oportunidade incrível dos meus olhos serem fotografados pelo Nuno um dia destes e, mesmo sem qualquer edição de fotografia, eu adorei o resultado!
O Nuno acha que as pessoas só valorizam as fotografias que "não lhe dão trabalho nenhum a tirar" porque são as que têm mais Likes no facebook, neste caso, uma fotografia ao estilo "olho de peixe"... Ao meu querido Nuno eu respondi-lhe apenas que "as pessoas tendem a gostar mais daquilo que é transcendente ao seu olhar, embora que isso seja algo limitado. E, por isso, qualquer fotografia a olho de peixe ou com alta focagem num só ponto e o resto desfocado, por não ser algo captado pelo olhar humano, acaba por ser algo de extraordinário. Jamais verão que a fotografia, o tempo de exposição, o trabalho e a dedicação, para além da edição posterior da fotografia, são algo de maior valor porque te dedicas inteiramente àquela fotografia em si, pela sua essência, pelo o que ela representa. Quem sabe o que vê, sente. Quem não sabe, fica a ver, como um turista contemporâneo que fotografa tudo sem intenção de compreender o que vai para além do seu olhar.".
E, por isso, não faças caso de algo que nem as pessoas entendem, porque tu és muito melhor do que o comum e mundano mortal sabe.
Tu és fantástico! E eu sempre tive a certeza disso :)



26/11/2013

**Christmas WishList**

Este natal "só" peço estas coisas... : b

New Balance Sneakers

Zara Shorts

Zara Sweat-Shirt

H&M bracelet

H&M top












Bershka Knitweart

New Balance Sneakers


25/11/2013

#FraseDoDia

Confidence is a decision. You will never earn it. It will come when you decide to have it.
— Charlotte Wood

23/11/2013


Ela, que era uma sonhadora, um dia acordou e descobriu que, afinal, ele era o seu homem de sonho.

21/11/2013

Às vezes só é preciso um balde de água fria para esfriar as ideias e, depois, um banho quente para aquecer a alma.

19/11/2013

O amor é ingrato.

O amor é ingrato. O amor é doentio. O amor é cruel. O amor é tóxico. O amor é tanta coisa.
Em cada relação, seja o tempo que dure, há sempre a fase em que nenhum admite que gosta do outro; a fase em que um admite e o outro, por fim, também admite; a fase em que gostam os dois igual; a fase em que um gosta mais que o outro; a fase em que já estão cansados um do outro e é nesta fase que as relações morrem. 
Amor é, mesmo quando estamos esgotados um do outro, quando as conversas parecem já não ter tema, quando as músicas são sempre as mesmas, quando já quase não se diferencia o cheiro do outro, cansados disto tudo e ainda assim não saber viver sem essa pessoa, é não saber viver de outro modo porque se construiu um futuro e uma vida em torno dessa pessoa. 
O amor é ingrato. O amor é doentio. O amor é cruel. O amor é tóxico. O amor é tanta coisa. Mas jamais saberíamos viver sem ele.


Ás vezes o amor não morre. Só anda escondido.

16/11/2013

Nostalgia da minha querida António Arroio II

À semelhança de muitos artistas-sonhadores que percorrem aqueles corredores, também eu me encontrei como pessoa e como essência, foi lá o único sítio onde me senti como se pudesse ser realmente eu, a única escola onde me senti "em casa". Onde sempre fui aceite porque nunca havia ninguém posto de parte, onde conheci amigos para a vida, onde sei que existe quem pense diferente, quem veja o mundo com outras cores e ainda assim não se sinta mal consigo. Foi lá que encontrei a paz dentro de mim. Foi lá que encontrei a minha peça do puzzle. Foi lá que cresci, que aprendi, que me afirmei como a pessoa que sou, onde descobri que posso ser eu mesma aos olhos do mundo, sem me enganar a mim própria. Foi lá que senti magia pela primeira vez e que aprendi que sentir tudo com toda a força a vida tem não tem mal nenhum. Aprendi a gostar de mim. E a gostar dos outros pelo que são. Aprendi a descobrir nos olhos dos outros a essência de cada um e aprendi, sobretudo, a amar cada pequeno detalhe da vida e a saborear cada momento como se fosse o primeiro e o último.
E só quem sente aquela escola com toda a sua plenitude e com toda esta entrega para receber o que ela, professores, colegas e auxiliares têm parar dar, é que irá sentir o toque do pó mágico que todo aquele sítio emana.

Nostalgia da minha querida António Arroio

"A simplicidade. Só o que é útil é bonito. O fútil é desagradável." Vítor da Silva, meu Professor de Artes Gráficas. Há coisa de trinta anos, um aluno qualquer armado em artista, subiu a um escadote e pintou espontaneamente sobre a porta principal da escola um AMO-TE com um "A" de anarca, e o graffiti ali se deixou ficar até hoje, resistindo a obras remodelações e reconfigurações. Acham isto normal? É claro que não. A António Arroio não é uma escola normal! Conheci várias escolas, umas melhores do que as outras, mas nenhuma como aquela. É complicado para qualquer "Arroiano" explicar o que tem aquela escola de diferente das outras em concreto, mas o mais notável de tudo era uma estranha cumplicidade criativa entre alunos, docentes e até o pessoal auxiliar, mesmo à revelia das normas, um direito à diferença tão enraizado e natural que não se dava pela "diferença", e essa maneira de estar na escola, de viver a escola como um espaço de criação, será provavelmente o factor que mais marca a António Arroio. A envolvência era tal que a escola acabava por sermos nós mesmos, e isso fazia com que nos sentíssemos parte integrante dela. Um todo. Ninguém ficava de fora. Era impossível. Também lá aprendi que "Loukura é Formosura". Quando lá cheguei em 1980 o @MO-TE era o original e estava pintado na parte da platibanda hoje ocupada pelo painel de azulejos do professor Querubim Lapa e aquilo era uma espécie de Staatliches Bauhaus à Portuguesa. Nunca mais me consegui desligar dela. O meu maior e mais antigo amigo é professor naquela escola e uma boa fatia das minhas relações têm algum tipo de ligação com ela. Voltar lá de surpresa quase trinta anos depois e ser acolhido pelo velho Matias com tanto calor e simpatia, foi no mínimo uma prova inequívoca de que eu não "inventei" a António Arroio. Ela é mesmo assim. Caminhar por aqueles corredores desertos numa tarde de férias da Páscoa a deixar exorcizar uma infinidade de detalhes que guardo como se fossem um grande tesouro, foi algo verdadeiramente íntimo e deslumbrante. O Vítor da Silva e resmungar que "os apara-lápis eram uma invenção da industria para vender mais lápis", o baldar-me a aulas minhas para ir assistir às aulas de História d'Arte da Natalina noutras turmas (as aulas dela esgotavam plateias), o Manel que em vez de dar aulas de filosofia levava com elas (ele próprio o cultivou em nós e estamos gratos por isso), as tardes a pintar paredes na "Alameda das Ganzas", as bicas prolongadas e eloquentes no Louvre, os matraquilhos no "Jardim da Celeste", tudo isso e muito mais da António Arroio, fizeram de mim uma pessoa muito melhor, e é por isso que lhe estou eternamente reconhecido e a trago no coração, e faço minhas as palavras do owner quando diz "Esta é a MINHA escola, como nenhuma outra foi". É a pura verdade. Ocorre-me citar aqui este pequeno texto de uma professora para uma aluna da escola. Poderá porventura parecer algo naïf, mas traduz muito bem o espírito "Arroiano": "Aquele Amo-te que está pintado à porta da nossa escola é uma mensagem que só quem vive ou viveu na António Arroio consegue compreender. Naqueles corredores há uma melodia que só nós conseguimos ouvir. Naquelas salas há uma luz que só nós conseguimos ver. Naquelas oficinas há texturas que só nós conseguimos sentir. Naqueles canteiros há flores e árvores que na Primavera enchem o ar com cheiros que são só nossos. Porque aquela escola é um lugar diferente. Talvez por isso é que ninguém quer sair de lá...mesmo os antigos alunos voltam sempre para uma visita." in "uccello", de Ana Martins, ucelo.blogspot.com, docente de História de Arte, 2008. Eu também voltei, ou talvez não... Talvez uma boa parte de mim nunca tenha de lá saído. Muito obrigado por me fazeres lá voltar. Foi absolutamente único!

autor desconhecido, encontrei aqui.

10/11/2013

Os olhos, sempre os olhos...

''Ninguém consegue mentir, ninguém consegue esconder nada quando olha directo nos olhos.
E toda mulher, com um mínimo de sensibilidade, consegue ler os olhos de um homem apaixonado.'' 
 



"E assim vamos ficando mais amigos, mais amantes, mais enrolados um com o outro."

30/10/2013

Gostar de imensas coisas é bom e mau. Por um lado torna a pessoa mais versátil, por outro, só a torna mais indecisa. Ou melhor ainda, torna-a mais indefinida.

(hoje estou inspirada. mas só para frases pequeninas.)

De Repente

''Me apaixonei do mesmo jeito que alguém cai no sono: gradativamente e de repente, de uma hora para outra.''

24/10/2013

Só ele viu meu corpo de verdade, minha alma de verdade, meu prazer de verdade, meu choro baixinho em baixo da coberta com medo de não ser bonita e inteligente. Só para ele eu me desmontei inteira porque confiei que ele me amaria mesmo eu sendo desfigurada, intensa e verdadeira.
Tati Bernardi
— 

23/10/2013

Perfection exists

Há imagens que realmente nos ultrapassa, nos atingem e nos inspira!


Esta é uma delas...


[Não sei quem foi o fotógrafo mas esta menina com traços de Kate Moss chama-se Fanny Lyckman. A perfeição realmente existe mesmo.]

22/10/2013

Dandi

Ás vezes sinto tudo demais. O Universo parece-me pesar uma tonelada dentro o meu peito. Sinto apenas que sinto tudo com muita força, com tanta e tanta força, todas as palavras, todos os actos, todas as expressões nas caras de outras pessoas que nem conheço que passam por mim na rua. Tento-lhes adivinhar os pensamentos, os sorrisos, os sonhos. Tenho adivinhar-lhes a vida e sinto-a em mim, como se fosse em mim que esses corpos se manifestassem.
Chamam a isto "Dandi". Ele diz que é o que eu sou. "Alguém que sente como se fosse tudo a primeira vez, quase..." - explica-me ele, com toda a sua sabedoria e paciência para as minhas crises existenciais.
Ele aparece para me solucionar o meus dilemas, para me indicar um caminho que me leva a perder-me nele, com ele. Ele vem dar-me respostas que eu nunca encontrei.
Com ele e com o mundo é como se tudo fosse tão profundo e tudo tão diferente entre si. Eu sinto-o mesmo profundo. E é por isso que eu acho que ele nunca vai entender o que eu sinto, como eu o sinto.

Tenho um problema com ele de me repetir, vezes e vezes sem conta, quando olho muito tempo para ele: digo-lhe que é lindo! E realmente ele é! Mas é por sentir tanto o que eu vejo e por o sentir tanto que quando o olho é como se estivesse a vê-lo pela primeira vez. E a frase "És lindo...", num tom meio suspirado, sai-me de relance pela boca fora! 
E acontece toda a vez que o olho sobre aquele olhar verde profundo...



Sou muitas coisas

Tenho mau feitio, nem sempre sou a mais simpática, sou impaciente, criancinha, ás vezes estou tão contente que me torno insuportável e ás vezes sou só mesmo insuportável porque sim. Faço o que quero e o que gosto. Sou trapalhona, com a mania que sou esperta e acho que tenho sempre razão. Eu sou muitas coisas...

...Mas sou essencialmente toda coração.

19/10/2013

Há Sempre Uma Primeira Vez

Já há muito, quase desde a existência deste blog, que venho com alguma regularidade citar algumas frases da minha escritora preferida de todos os tempos, Margarida Rebelo Pinto. Soube que ia lançar um novo livro, o Há Sempre Uma Primeira Vez, e que, por conseguinte, iam lançar um GiveAway de convites duplos do lançamento do livro dia 16 de Outubro, Quarta-Feira, pelas 18h30, na Bertrand do Chiado,
juntamente com uma agenda personalizada a quem escrevesse um texto que falasse da primeira vez que conheceu a/o melhor amiga/o.
Leitora atenta e fã incondicional que sou, depressa inscrevi-me no passatempo, enviei via e-mail o texto, juntamente com a imagem ilustrativa do texto.
A resposta foi dada pelo Página de Facebook da Margarida rebelo Pinto, gerida por ela, na própria Quarta-Feira, ás 11 horas! Visto que estudo das 8 horas às 15, não tive tempo, nem tenho maneira de aceder aos Facebook em tempo corrente de aulas, não soube que tinha ganho a porra do passatempo!!

Não sei se por lapso do Clube do Autor ou de por Lapso da Margarida Rebelo Pinto, o que eu sei é que não vi convite duplo nenhum, não vi lançamento nenhum, não vi o bloco, não vi nada porque nem soube de nada!

Há sempre uma primeira vez, esta certamente foi uma primeira vez de uma oportunidade única mais que deitada por água abaixo por um lapso na falha de comunicação!
Se o azar, isto é coisa dele!

Odeio-te, Facebook.

18/10/2013

Consciência Tranquila

As pessoas podem ter defeitos e manias, mas no final de contas, o mais importante de tudo é ir dormir com a consciência tranquila de que se foi a melhor pessoa que se conseguiu ser.


15/10/2013

#FicaADica

«Quando não tem já mais nada para escrever e continua a escrever é um crime, porque não tem o direito de escrever se não tem nada para dizer! (...)»

Hoje, fica a dica, saída daqui.



xoxo, C*

08/10/2013

FINALMENTE

Soube que o tinha esquecido quando me apercebi que, finalmente, já tinha parado de sonhar com ele. Se o sonho é o inconsciente do cérebro, das palavras oprimidas e dos desejos escondidos, ele já não faz parte desse mundo! AMÉN! E como ele já não fazia parte de qualquer outro mundo meu, deixou, finalmente de fazer parte de mim.
E finalmente passou, finalmente já posso ser feliz sem estar aprisionada ao que poderia ser se tudo tivesse sido diferente... Se... Se... Se... Se fosse mais homem e mais capaz, se soubesse uma vez na vida o que queria comigo... Mas como os homens nunca são capazes de decidir nada em relação ás mulheres eu decidi! Desta vez eu sei o que é que quero. E o que eu quero é que ele não volte para a minha vida. Não da maneira como entrou. Não. Nunca mais. E agradeço se ele puder deixar-me ser feliz como eu quero. Sem ele.

As mulheres nunca sabem o que hão-de vestir. Já os homens nunca sabem decidir-se!

Beijos, fui ser feliz. FINALMENTE!


[Escrito à uns tempinhos atrás. Agora faz todo e completo sentido ser partilhado.]

07/10/2013

Elogio da Loucura

«À medida que um homem que afasta da Loucura, vai deixando de viver. (...) Uma mulher será sempre uma mulher, isto é, sempre louca ainda que ponha uma máscara. As mulheres não me poderão levar a mal que lhes atribua a loucura, a mim, que também sou, além de mulher, a própria Loucura. Vendo bem as coisas, é o dom da loucura que lhes permite serem, em muitos aspectos, mais felizes do que os homens. Têm sobre eles, em primeiro lugar, a vantagem da beleza, que põem, com razão, acima de tudo e que lhes serve para tiranizar os próprios tiranos. O homem tem as formas rudes, a pele rugosa, a barba selvagem, que o envelhece, e que, ao mesmo tempo, é sinal de sabedoria; as mulheres, com a face macia, a voz doce, a pele lisa, têm a seu favor os atributos da juventude eterna. Por isso, que procurarão elas na vida, senão agradar aos homens o mais possível? Não será essa a razão para tantos vestidos, pinturas, banhos, penteados, pomadas e perfumes, de toda a arte de pintar ou disfarçar o rosto, os olhos e a pele? E não será a Loucura que melhor lhes entrega os homens? Eles prometem-lhes tudo, e em troca de quê? De prazer. Mas elas só o conseguem graças à Loucura. Isto é evidente, se pensarmos em todas as parvoíces que um homem diz, nas loucuras que pratica, quando procura beneficiar das graças duma mulher.»


PS: "Os humanos são metamorfoses ambulantes."

[excerto e frase de Erasmo de Roterdão, in Elogio da Loucura]

01/10/2013

Missing someone...



Por que não?!

Entrei em Arquitectura, com especialização em Arquitectura de Interiores. É um mestrado integrado, 5 anos naquele labirinto que para mim ainda é muito muito confuso. Tenho uma turma com 40 e tal pessoas, todas diferentes e ninguém parecido, nem um pouco comigo. Muito trabalho, com apenas 2 dias de escola já tenho 2 maquetas para fazer, pensar como vou realizar o meu primeiro projecto: um auditório; e ainda uns 20 desenhos para entregar até Sexta... Matérias de Geometria Descritiva e Conceptual e de Complementos de Matemática e Estatística com um atraso de 2 semanas... Muita coisa pra fazer e quase nada feito! Um sufoco! Um stress! Vou endoidecer!!
Não era nada disto que eu queria! Mas como eu nunca sei o que é que quero...
Por que não?!



23/09/2013

O papel na vida de alguém

«A gente sempre acha que é especial na vida de alguém, mas o que garante que você não está somente servindo para tapar buracos ou como curativo para feridas antigas? Cuidado com o papel que você tem na vida de alguém. É parecido com um circo: às vezes você é o mágico que faz coisas incríveis, às vezes você é só o palhaço pra passar tempo até que algo melhor venha.»

- autor desconhecido

22/09/2013

Eu não sou bom em nada. Eu só sou bom a escrever. Estou cada vez pior naquilo que sou e estou cada vez melhor a escrever. O que eu gostava mesmo era de ter uma vida melhor, uma vida mais decente, e nessa vida eu não escreveria.” 
―Pedro Paixão



17/09/2013

Eye contact

Fico a olhar-te horas. Penetro-te pelo olhar tão fundo que consigo chegar-te ao coração e descobrir tudo aquilo que engoles em seco para não me dizer.


16/09/2013

I was lost. And I still am.

“I realized why I was lost. It’s not because I didn’t have map. It’s because I didn’t have destination”

Takemoto Yuuta "Honey And Clover"




02/09/2013

Peace of mind

Eu estava incrivelmente apaixonada por ele. Mas de repente os meus olhos viram algo diferente. Algo mudou, não sei ao certo o quê. Senti um aperto no peito, um sufoco enorme, senti que me perdera algures e que não sabia achar o caminho de volta a casa. Senti que tinha que abandonar tudo o que me fazia mal e começar a esvaziar a cabeça e o coração.
Eu tive que ir embora. Eu não podia ficar mais. E eu posso não querer estar com alguém, mas pelo menos sei que não estou sozinha.

Eu não procuro mais nada que não seja paz. E um pouquinho de loucura...


28/08/2013


Quando, enfim, penso que me estou a acostumar que te estou a esquecer, tu ressurges de forma tão inesperada, ocupando todos os espaços.

~ Caio Fernando Abreu

16/08/2013

A saudade não vai embora.

Sou complicada. Tenho uma vontade que não sacia, nem com o tempo. O tempo apaga muitas coisas, mas não apaga tudo. Há em mim uma sede de infinito porque a saudade não vai embora.

31/07/2013

This is love

I’m in love with you. Yeah, it’s that bad. You’re so beautiful to me. Shut up, let me tell you, let me. Every time I look at your face, or even remember it, it wrecks me. And the way you are with me, and you’re just fun and you shit all over me and you make fun of me and you’re real. I don’t have enough time in any day to think about you enough. I feel like I’m going to live a thousand years because that’s how long it’s going to take me to have one thought about you, which is that I’m crazy about you. I don’t want to be with anybody else. I don’t. I really don’t. I don’t think about women anymore. I think about you. I had a dream the other night that you and I were on a train. We were on this train and you were holding my hand. That’s the whole dream, you were holding my hand and I felt you holding my hand. I woke up and I couldn’t believe it wasn’t real.
— Louis CK






and this is love...

28/07/2013

O que me encanta mais de tudo nesta vida, é a forma como eu consigo ver o mundo com uma luz e beleza que ninguém entende.


19/07/2013

forgetting

«We keep secrets from ourselves 
and call it forgetting.»




And forgetting let us free...

15/07/2013

"Autopsicografia"

«Catarina, fala-me de ti. Tens coragem e tempo?» N.C.

Isso é sempre uma pergunta muito complicada para mim. Coragem tenho sempre e tempo, arranja-se.
Primeiro que tudo, se há algo que me caracteriza deve ser o meu sorriso. No entanto eu acho que sou muito mais observadora, mas quase ninguém me consegue ler os olhos. Há uns anos que procuro quem sou, porque não sei e ando nessa busca constante, quase sempre sem resposta.
Não digo que não tenha uma personalidade forte, gostos marcantes e talvez até, pouco fora do comum ou do usual: eu gosto do que é ousado mas não piroso.
Sobre mim não sei, sinceramente, acho que sou uma miúda de 19 anos como muitas outras são. Não me ponho muito à margem da sociedade nem me insiro em nenhum grupo específico. Os meus amigos são os mesmos desde sempre, com a excepção de dois ou três que entraram na minha vida há 3 anos e vieram para ficar, porque eu faço questão de os preservar na minha vida.
Vivo quase uma vida dupla... A vida de sempre, com amigos de longa data, uns até de berço, outros de primária, oriundos de onde sempre morei e cresci.
Depois, há 3 anos decidi mudar a vida toda, ou quase, ou pelo menos a minha e abdiquei da vidinha fechada que aqui se vive e fui estudar para Lisboa, continuando a morar onde sempre morei.
Inscrevi-me na Escola Secundária Artística António Arroio e não me considero nem um bocado artista, até seria muito ingrato da minha parte se o afirmasse porque não é verdade. Mas naquela escola entrei para aprender. E aprendi muito! Aprendi, sobretudo, a conhecer-me a mim, um eu que talvez nunca tivesse conhecido. Aprendi que não faz mal pensar diferente dos outros, não faz mal ver luz nas cidades, nas ruas, nas pessoas, no sol, na lua, em casas abandonadas... 
Eu acho que o que me faz ser feliz é a maneira como olho para as coisas porque pouco preciso para achar algo com alguma particularidade bonita, mesmo quando as coisas são feias. Há sempre um encantamento qualquer que me surge quando me ponho a observar coisas.
Gosto de ler, mas nem todos os livros me cativam.
Sou feliz, mas acho que me falta sempre algo.
O meu maior medo na vida é ficar sozinha, acho que deve ser por isso que sou apegada demais às pessoas e a certas coisas que considero minhas. Talvez seja egoísmo... Talvez seja outra coisa qualquer.
Sou a filha do meio de 3 filhas perfeitas e normais.
E acredito no amor porque não tenho nem um motivo para desconfiar que ele não exista.

Ser sem ser

Um dia eu quis ser só sua. No outro dia eu já não quis ser de ninguém.



14/07/2013

Atracção pelo perigo

Não sei de onde vem essa minha atracção pelo perigo, pelo incerto, pelo desafio, pelo limite, ou pelo risco. 
Sinto em mim uma força que me puxa constantemente numa direcção que eu sei que não é a certa. "Não vás por aí." E eu vou, empurrada por uma corrente de ar que invade toda a minha alma que me diz, baixinho, "Tens de ir...".
Vejo-te ao longe.
O coração acelera, a adrenalina sobe.
E eu sinto-me viva, como nunca me senti antes.

Boa sorte sem mim

«Não adianta implorar para ninguém ficar, fica quem quer. E é por isso que te estou a deixar ir. Não estou a desistir, nem a ser fraca. Eu errei, tu erraste, errámos. E ajoelhares-te aos seus pés não muda nada, só tortura mais. Então vou desaparecer um pouco, bloquear-te da minha mente. Não quero ouvir notícias tuas, nem boa nem ruim. Não vou responder a mensagens, não agora. Tu precisas sentir falta, precisas ver se realmente me queres. E não é que eu vou estar aqui à tua espera, mas amor não acaba fácil. E ainda que eu esteja a ser forte, se tu voltares, eu deixo-te entrar. Mas cada dia a mais, é algo a menos. E a verdade, tu sabes, se tiver que ser, daqui 10 anos a gente encontra-se. 
Boa sorte sem mim.»

11/07/2013

23/06/2013

"Haters II"

On your way to the top, you have to be always the best person you ever know and ever could be, but remember that the people who don't like you are always gonna be like little stupid rocks inside your shoe. 
You don't need to stop the journey. You just need to take off your shoe, take away the stupid annoying rocks and keep walk your way to success. Some people just cant handle your happy and smiley life. 
The only reason people hate you is cause you got something they wanted and they can't.
Haters gonna hate, no matter what you do.

"Haters"

Eu achava que não era verdade, mas será que há sempre alguém que fica com tremenda inveja (?) quando vê que existe outras pessoas felizes à sua volta?! 
Para que fique bem claro, o meu blog não é "sobre o amor", não é sobre nada de concreto, sequer! É uma mistura daquilo que sinto com aquilo que gosto, que no fundo sou eu própria.
Só de pensar o quão ridículo é acharem que não se pode escrever sobre o amor porque é "enfeitá-lo", quando há pessoas que não sabem mesmo o que é amar, ou não sabem exprimi-lo por palavras, acções, o que for. Há pessoas que simplesmente não sabem amar nem gostar de outra. Talvez seja defeito meu então, conseguir exprimir o que sinto por escrito. Pobrezinha que sou, que sei verbalizar sentimentos...

Não pretendo (nem nunca foi muito "eu") agradar seja quem fosse. Quem não gosta do que escrevo, existe a opção "fechar a página" e eu agradeço que o faça, que não são críticas mínimas e odiosas que me vão impedir de escrever ou publicar aqui o que bem me apetecer.

Este blog existe por mim e para mim. 

Haters gonna hate... Such a shame to be so important to some ;)


Gently, fuck your opinion darling

21/06/2013

Escrever...

Para mim, escrever, é uma forma de me encontrar, de pensar, de perceber aquilo que na minha cabeça não bate certo. Se tenho "terapias", "drogas", "prazeres", tudo se resume à escrita. Porque é aqui que me sinto bem. E é aqui a escrever, que de alguma forma, aprendi a conhecer-me a mim própria. Fica um pequeno texto do grande Miguel Esteves Cardoso que resume mesmo tudo aquilo que tentei, durante anos, explicar - a forma como a escrita invade por completo toda a minha alma e ser que sou.

"Escrever é uma maneira de pensar que não se consegue pelo pensamento apenas. Todos os constrangimentos sintácticos e gramaticais da escrita, em vez de nos reprimirem, levam-nos a encontrar frases que não existiam antes de serem escritas, que não podiam existir de outra forma."

Miguel Esteves Cardoso

A Secret of Love

Brad Pitt sobre a sua mulher, Angelina Jolie.


A Secret of Love

«My wife got sick. She was constantly nervous because of problems at work, personal life, her failures and problems with children. She has lost 30 pounds and weighted about 90 pounds in her 35 years. She got very skinny, and was constantly crying. She was not a happy woman. She had suffered from continuing headaches, heart pain and jammed nerves in her backand ribs. She did not sleep well, falling asleep only in the morning and got tired very quickly during the day. Our relationship was on the verge of break up. Her beauty was leaving her somewhere, she had bags under her eyes, she was poking her head, and stopped taking care of herself. She refused to shoot the films and rejected any role. I lost hope and thought that we’ll get divorced soon… But then I decided to act on it. After all I’ve got the most beautiful woman on the earth. She is the ideal of more than half of men and women on earth, and I was the one allowed to fall asleep next to her and to hug her shoulders. I began to pepper her with flowers, kisses and complements. I surprised her and pleased every minute. I gave her lots of gifts and lived just for her. I spoke in public only about her. I incorporated all themes in her direction. I praised her in front of her own and our mutual friends. You won’t believe, but she has blossomed. She became even better than before. She gained weight, was no longer nervous and she loved me even more than ever. I had no clue that she CAN love that much.
And then I realized one thing: “The woman is the reflection of her man”»

Brad Pitt



15/06/2013

És o meu lado melhor

Abres a porta de repente, fechas com força. Oiço os teus passos a procurar-me. Vês-me. Agarras-me pela cintura. Pegas-me ao colo. Levas-me para outra dimensão onde só nós existimos. Onde não há campainhas, telefonemas, e-mails, onde o fogão não dá sinal do jantar já estar pronto e onde o microondas não apita. É uma dimensão tão grande como a do nosso amor. Uma fonte tão inesgotável de pura magia. Sinto-te acariciar os meus cabelos, a beijar o meu pescoço e sentir o meu perfume de flores doces. Sinto um arrepio. Sinto que te arrepio. E a minha pele eriça-se pelas minhas costas acima. Afinal são as tuas mãos que me beijam a pele. Afinal são os teus olhos pousados sobre os meus lábios. E só assim já te sinto como se de um beijo se tratasse. As coisas boas, como o nosso amor, vieram com o tempo. Mas a tua chegada tão repentina fez com que as coisas boas fossem as melhores. 
Porque agora vagueio pelo mundo de mãos dadas contigo. Porque agora o passado não interessa e o futuro somos os dois que construímos. Porque agora somos um: o mesmo copo, o mesmo guardanapo, o mesmo cobertor, a mesma almofada. Agora tudo se torna mais único, mais envolto, como os meus braços envoltos no teu corpo e os teus agarrando o meu, pequeno, frágil, quente. "Amanhã vamos almoçar juntos." é tão diferente de "Amanhã queres almoçar comigo?" - já não existem perguntas. Agora somos imperativo porque não somos um sem o outro.



«As coisas boas vêm com o tempo. As melhores vêm de repente.»
Tu, que vistes tão de repente, tornaste-te naquilo que a minha vida tem de melhor. És o meu lado melhor. E eu sou sempre melhor quando estou contigo.

Hoje estou com os professores e com todos os outros reféns deste Governo

«Estudo no 12º ano, tenho 18 anos. Sou uma entre os 75 mil que têm o seu futuro a ser discutido na praça pública.

Dizem que sou refém! Dizem que me estão a prejudicar a vida! Todos falam do meu futuro, preocupam-se com ele, dizem que interessa, que mo estão a prejudicar…
Ando há 12 anos na escola, na escola pública.
Durante estes 12 anos aprendi. Aprendi a ler e a escrever, aprendi as banalidades e necessidades que alguém que não conheci considerou que me seriam úteis no futuro. Já naquela altura se preocupavam com o meu futuro. Essas directivas eram-me passadas por pessoas, pessoas que escolheram como profissão o ensino, que gostavam do que faziam.

As pessoas que me ensinaram isso foram também aquelas que me ensinaram a importância do que está para além desses domínios e me alertaram para a outra dimensão que uma escola “a sério” deve ter: a dimensão cívica.
Eu não fui ensinada por mágicos ou feiticeiros, fui ensinada por professores! Esses professores ensinaram-me a mim e a milhares de outros alunos a sermos também nós pessoas, seres pensantes e activos, não apenas bonecos recitadores!
Talvez resida ai a minha incapacidade para perceber aqueles que se dizem tão preocupados com o meu futuro. Talvez resida no facto de não perceber como é que alguém pode pôr em causa a legitimidade da resistência de outrem à destruição do futuro e presente de um país inteiro!
Onde mora a preocupação com o futuro dos meus filhos? Dos meus netos? Quem a tem?
Onde morava essa preocupação quando cortaram os horários lectivos para metade e mantiveram os programas?
Onde morava essa preocupação quando criaram os mega-agrupamentos?
Onde morava essa preocupação quando cortaram a acção social ou o passe escolar?
Onde mora essa preocupação quando parte dos alunos que vão a exame não podem sequer pensar em usá-lo para prosseguir estudos pois não têm posses para isso?
Não somos reféns nessa altura? 
E a preocupação com o futuro dos meus professores? Onde morava essa preocupação quando milhares de professores foram conduzidos ao desemprego e o número de alunos por turma foi aumentado?
Todas as atrocidades que têm sido cometidas contra nós, alunos, e contra a qualidade do ensino que nos é leccionado não pode ser esquecida nunca mas especialmente em momentos como este!
Os professores não fazem greve apenas por eles, fazem greve também por nós, alunos, e por uma escola pública que hoje pouco mais conserva do que o nome. Fazem greve pela garantia de um futuro!
De facto, Crato tem razão quando diz que somos reféns, engana-se é na escolha do sequestrador!
E em relação aos reféns: não são só os alunos; são os alunos, os professores, os encarregados de educação, os pais, os avós, os desempregados, os precários, os emigrantes forçados... Os reféns são todos aqueles que, em Portugal, hipotecam presentes e futuros para satisfazer a "porra" de uma entidade que parece não saber que nós não somos números mas sim pessoas!
Se há momentos para ser solidária, este é um deles! Estou convosco *»

escrito por Inês Gonçalves

14/06/2013

O amor não se vê

«Os amantes de hoje preferem a droga mais leve, o tabaco mais light ou o café descafeinado. Já ninguém quer ficar pedrado de amor ou sofrer de uma overdose de paixão. As emoções fortes são fracas e as próprias fraquezas revelam-se mais fortes. Os amantes, esses, são igualmente namorados da monotonia e amigos íntimos da disciplina. O que está fora de controlo causa-lhes confusão, e afecta-lhes uma certa zona do cérebro, mas quase nunca lhes toca o coração. O amor devia ser sonhado e devia fazê-los voar; em vez disso é planeado, e quanto muito, fá-los pensar. Sobre o amor não se tem controlo. É um sentimento que nos domina, que nos sufoca e que nos mata. Depois dá-nos um pouco vida. No amor queremos viver, mas pouco nos importa morrer e estamos sempre dispostos a ir mais além. Deixamo-nos cair em tentação, e não nos livramos do mal, embora procuremos o bem. No amor também se tem fé, mas não se conhecem orações: amamos porque cremos, porque desejamos e porque sabemos que o amor existe. Amamos sem saber se somos amados, e por isso podemos acabar desolados, isolados e deprimidos. Que se lixe! O amor não é justo, não é perfeito; no amor não se declaram sentenças nem se proferem comunicados. O amor prefere ser imprevisível, cheio de riscos e de fogo cruzado. No amor os braços não se cruzam, as palavras não se gastam e os gestos servem para o demonstrar. Amar também é lutar, e enfrentar monstros fabulosos com cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de dragão. É uma ilusão, um sonho, um absurdo e uma fantasia. O amor não se entende, não se interpreta, não se discerne nem se traduz. Quem ama acredita, mas não sabe bem porquê, não sabe bem o quê, nem percebe bem como.»

Rogério Gouveia Fernandes


Porque amar é correr riscos, é não ter controlo, é amar só porque sim, é estar perto, é não ver consequências, é arriscar acima de tudo. É o atirar do precepício e esperar que, quem amamos, nos ampare a queda. E irmos de olhos fechados! Porque quem ama é quem sabe. E se sabe, não precisa de ver nada. O amor não se vê... Sente-se. E só quem tem coragem de arriscar é que consegue entender aquilo que eu tenho dito.

12/06/2013

"Estás a chorar?" perguntas-me e eu, fazendo um esforço para que não notasses as lágrimas, digo-te que não. "Mas eu sei que estás. Olha para mim." e eu mantenho-me quieta, não quero que me vejas fraca, não quero que me vejas derrotada, não quero que me vejas feia. Levantas o meu rosto com calma, limpas as malditas e dizes-me que não gostas de me ver assim, triste, que quando choro o teu coração se quebra em mil pedaços. Perguntas-me "Porque é que choras?" e eu choro ainda mais. Eu temo que não entendas que eu choro de saudade, mesmo quando te tenho do meu lado, mesmo do meu lado. 
Abraças-me com força, deitas-me do teu colo fazendo-me festinhas no cabelo, não sei ao certo se para me adormecer ou se para me acalmar. As lágrimas secam e eu digo-te que choro porque tenho medo e porque tenho saudades, porque sei que quando o dia acabar tu vais voltar para a tua casa longe da minha.
Sou sempre tão pequena e tão grande do teu lado. Tão pequena quando me abraças e me agarras porque és enorme ao meu lado e tão grande porque cuido de ti. E sou tão tua. E tu és tão meu. E ambos somos tão um do outro e tão livres, ao mesmo tempo.
Amar é isso de deixar livre o que amamos, não é? - se conseguirmos conquistar o que amamos, elas voltarão ao nosso encontro de livre vontade. Mas o que mais amamos é também aquilo que mais nos pode destruir. O que me destrói a mim é o medo de te perder. O medo consegue ser o inimigo que qualquer relação.
Eu pus toda a minha alma nas tuas mãos, tirei toda a maquilhagem, tirei todos os artifícios, despida de tudo o que não é meu, a ti não te sei mentir. Não, eu não choro porque me magoas, eu choro porque tratas-me tão bem que fico com tanto medo de como será se algum dia fores embora.


If i gave you my heart, what would you do with that?

26/05/2013

Estás em todo o lado

Só queria colar a minha pele na tua, sentir o teu cheiro e beijar teus os lábios. Só queria esquecer que o mundo existe ao nosso redor e dizer-te que todas as estrelas são feitas para ti, que o sol nasce todos os dias para beijar cada poro do teu corpo. Só queria que soubesses o quanto eu te amo, o quão louca por ti sou e que virava o mundo do avesso se algum dia fosses embora sem aviso.
Porque tu és o meu equilíbrio e a minha loucura, o me riso, a minha lágrima de saudade e o meu poço de alegria. És metade do que eu sou. És o brilho nos meus olhos, nos meus sorrisos, nos meus cabelos. És tu! E eu amo-te tanto que nem sou capaz de dizer as coisas todas que me fazes sentir! E eu que falo tanto, que digo ainda mais, eu que nunca tenho palavras em vão, fico sem palavras contigo, uma e outra vez. Porque não há palavra nenhuma no mundo que reflicta ou justifique tudo o que eu vejo nos teus olhos. Não há palavra com tamanho sentimento igual ao que eu sinto por ti.
O teu nome ecoa em todo o lado para onde vou... Nas ruas, nas casas, no chão, nas árvores, nos sussurros do vento que quase não entendo, nos murmúrios dos cafés. O teu nome parece escrito em todo o lado, mas só eu consigo ver, só eu consigo sentir. 
Tu estás em todo o lado. 
Tu estás em tudo o que eu faço.

Amar

A minha definição de amar alguém é tão simples que custa a acreditar que uma gaja tão romântica e apaixonada como eu acredite mesmo nessa definição, mas para mim, amar alguém, é nada mais, nada menos que deixar ser quem somos perante outro alguém, sem máscaras, sem medos. Permitir que essa pessoa conheça todos os nossos defeitos mais escondidos e ainda assim querer ficar connosco.

18/05/2013

Amo-te como um bicho

Amo-te como um bicho, simplesmente. De um amor sem mistério e sem virtude, com um desejo maciço e permanente. E de te amar assim, muito e repetidamente, é que um dia em teu corpo de repente, hei de morrer de amar mais do que pude.
Vinicius de Moraes


*


Amo-te mais do que posso e, por isso, o meu amor por ti, é tão imenso, quase tão imenso quanto a quantidade de universo que a vida inteira tem.

05/05/2013

A nossa história de amor

Eu posso ter tido outros mas nunca tive ninguém como tu. O amor nunca é igual duas vezes mas nunca gostei tanto de alguém como gosto de ti. Ou se calhar sou só eu que estou tão apaixonada por ti que me faz esquecer tudo o que já passou. Talvez o amor tenha na sua composição um efeito anestésico do passado, uma reacção química que nos faz anular outras pessoas que passaram na nossa vida e depois, quando amamos, somos invadidos por uma sensação de que tudo é agora a primeira vez. Que nunca beijámos outras pessoas, que nunca andámos de mãos dadas, que nunca conhecemos ninguém que gostássemos tanto. É um feeling de começo de tudo, uma primeira vez do coração. 
Quando aprendemos a amar de novo, o coração já é outro novo, melhorado, à prova de choque e de pessoas que nos querem mal. Porque onde há amor e entendimento, e paixão assumida, também há sempre quem queira destruir isso. Acredito que talvez aconteça porque as outras pessoas não são felizes com elas mesmas, então criam uma barreira-anti-felicidade-alheia e inventam um boato ou dois, um acontecimento passado que nunca chegou a aconteceu. Mas e se tivesse acontecido?! As pessoas mudam, crescem, arrependem-se. E erros toda a gente faz!
Mas contigo parece sempre tudo tirado de um sonho ou saído de um filme, porque contigo tudo é tão diferente, é tudo tão natural, somos feitos da mesma matéria, feitos dos mesmos ritmos, as minhas batidas do coração têm um compasso igual ao teu e até podes ser bem mais alto que eu, mas tenho o tamanho certo para ti, encaixamos na perfeição, eu no teu colo, o abraço que me dás... Somos Lego, somos duas faces da mesma moeda, metades da mesma laranja. Somos um, mesmo sendo dois e tão fortes. Mas somos nós, acima de tudo.
Acredito mesmo que amar é não ter medo de se mostrar quem se é, na verdade, na pura essência, mesmo com todos os defeitos na cara. E eu desde o início que nunca fingi ser quem eu não era contigo. E tu, desde o início, me puseste a par de tudo o que tu eras e deixaste de ser, de tudo o que tu eras e continuas a ser. E eu nem por um momento pensei em voltar as costas! Nunca fingimos ser um ao outro aquilo que não éramos, e por sermos tão fiéis a nós próprios, somos tão ligados um ao outro, num fio inquebrável e invisível, que é a nossa história de amor.


21/04/2013

És onde quero estar

«Se eu pudesse escolher, é claro que não estaria ali. Só que eu nem sei onde estaria, e o primeiro lugar que me vem à tona não é um lugar.» Esse lugar eras tu. Esse lugar és tu. 



És onde quero estar. 

14/04/2013

Volto a ser criança

E quando me apaixono, volto a ser criança. Volto a ter risos sem motivo, volto a sentir o coração quente, a alma protegida e o corpo abraçado. Quando me apaixono volto a ser eu, que sou sempre mais eu quando estou inteira. E tu preenches-me. E estou apaixonada por ti.


A certeza no olhar

Olhas-me com uma ternura que raramente encontrei noutros olhos que digo ter amado. Tu olhas-me com uma certeza inquebrável de que sou eu - eu quem tu queres, quem tu desejas, quem tu mais sentes falta, quem tu mais adoras no meio de tantas outras miúdas. Olhas-me com uma certeza de que me esperavas à tanto tempo, com um olhar de que me procuravas noutros corpos mas que em nenhum viste o que eu sou.
Estou apaixonada por ti. Não me importa o teu B.I., eu gosto de ti. Sei que te falta o tempo que só o tempo sabe dar às pessoas, falta-te a vida toda pela frente. E a mim também. E porque não vamos juntos? E porque não me dás a mão e vamos só? Vejo-te com uma idade que não é a tua, e já não sei ás tantas se és tu que és da minha idade ou se sou eu que me moldei à tua. Sempre fui mais presa que predador, apesar de saber afastar com armas de fogo muitos caçadores desta selva urbana.
Apaixonei-me por ti, não sei porquê, muito menos quando.
Sinto-me tão bem ao pé de ti. Parece que já que te conheço há anos e anos. "A vibe é uma coisa que se sente mas não se vê." Mesmo sem querer tu me seduzes. Eu já só preciso do teu olhar certo, do teu abraço firme, da tua presença em mim.
E se o mundo de virar contra nós, nós viramo-nos contra o mundo!

13/04/2013

Raparigas do Norte



Infelizmente, eu não sei quem escreveu isto, mas estou certa de que aqui está um belo texto, um puro elogio ás mulheres com garra. Digo isto tudo, mesmo sendo eu uma rapariga do Centro, que tem um encantamento especial pelo Norte.




PS: SOCORRO, estou apaixonada!