Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

26/12/2015

“BEING A KID, THERE ARE ONLY TWO WAYS YOU CAN GO: YOU’RE EITHER AN INFLUENCER OR YOU’RE INFLUENCED. YOU’RE EITHER A LEADER OR A FOLLOWER.”



by 
Luka Sabbat

25/12/2015

The Leftybook

Sou canhota. E com orgulho!
Não faço grande caso de ser canhota porque não vejo grandes diferenças no mundo só porque uso mais a mão esquerda que o resto do mundo. A verdade é que, apesar de não haver muitas limitações, há coisas que não faço com a facilidade ou com a naturalidade que uma pessoa destra faz, como comer, cortar com tesoura ou x-ato ou ate mesmo escrever, pois tenho que pôr o caderno sempre na horizontal de forma a que consiga ler o que estou a escrever.
Como adoro acessórios de papelaria e tenho uma pancada enorme com cadernos, surgiu este projecto pensado em prol dos que escrevem com a mão esquerda, no qual estou muito interessada!

Fica então o projecto para todos os canhotos e destros que, certamente, conhecem algum canhoto!

18/11/2015

Um peso em mim

Eu senti um peso.
Eu senti uma saudade que não sei dizer de quê. Uma saudade que não se mede, nem se justifica, nem se vai embora.
Eu senti um peso em meus ombros. Eu senti a tua mão pesar no meu peito. Eu senti tu sentires a batida do meu coração lento, melancólico.
Eu pisava a cidade de papel e não deixava pegadas sujas. Somente as penas das minhas asas eram rasto, eram resto, eram risco.
E o peso que eu sentia eram as asas a abandonarem-me num sopro silencioso dos carros que passavam por mim. Quanto mais as asas me tentavam libertar do peso, mais me prendiam. E o peso aumentava.

Se ao menos tudo fosse nuvem como tu. Se ao menos tudo fosse água como os teus olhos. Se eu menos eu pudesse descansar só um pouco no teu abraço - eu deixaria de sentir peso, para só sentir-te a ti a pousar a tua mão em nós.

Obrigada a ti meu amor, que nos dias mais negros me lembras que ainda existem as cores do pôr do sol.

11/10/2015

Não vale a pena esconder o amor

O que importa quando amamos é que não vale a pena esconder nada: o sorriso tonto ao ler a mensagem inesperada a meio do dia, o coração em arritmia quando estás quase a chegar ao pé dele, a doçura das palavras quando tentas dizer o quanto gostas dele, nem mesmo tentar esconder o tom de voz aguda e fina com que falas ao telefone com ele. Não vale a pena esconder a palavra "amo-te" de ninguém.
Não vale a pena esconder nada porque o amor é um vício lindo que torna tudo à volta com muito mais sentido. Não vale a pena esconder nada porque o amor é bom quando damos a nossa parte.

Quando as pessoas se têm

«Não sei que dia era, nem como é que aconteceu. As pessoas estão sempre à espera que aconteça algo de extraordinário quando o mais extraordinário é sentires-te bem quando não acontece rigorosamente nada. Naquele dia, não sei quando, entrelaçámos as pernas no sofá. Eu lia um livro e tu fazias zapping. Não sei que horas eram, não fazia ideia do paradeiro do meu telefone, nem tu do teu... E foi aí, no conforto das coisas simples, no vértice da rotina que percebi que o amor era isto: Duas pessoas, a fazerem o mesmo que toda a gente com a diferença de que se têm uma à outra.»

O amor é quando somos nós mesmos os dois juntos. O amor é quando as pessoas se têm.

~ texto tirado daqui ~

20/09/2015

«Apercebo-me que o amor é uma coisa e a vida é outra, e que ainda preciso de aprender a viver melhor, sem depender tanto dos outros para me sentir feliz, pelo menos confortável. (...) Quando se gosta mesmo, o tempo não conta. (...) Quando se dá a sério, nunca se cobra, nem sequer se mede o quanto se dá. Nunca é demais. (...) Choro e danço mal quando tenho saudades de quem gosto, mas não houve nenhum Rei dos Mares que mandasse vir o meu rapaz, nem o rapaz que se apaixonou por mim largou o seu mundo para vir para a minha ilha. O meu rapaz tem um mundo só dele, e vou aprender, duma vez por todas, a respeitar isso. (...) Com ele é sempre assim. Se ele fosse um animal era um gato, arisco, orgulhoso, misterioso, independente. E se fosse uma palavra, era talvez. (...) Ele traz à minha vida uma luz que me faz sentir uma pessoa diferente, como se emprestasse à minha existência uma dimensão totalmente nova.»

Ele é inconstante, instável, está aqui e acolá. Mas sem ele há pouca coisa que faça sentido. Porque foi com ele que aprendi a ser melhor, aos poucos. E ainda estou a aprender...
Pior que a saudade no peito 
é o silêncio nos dias vazios.

08/09/2015

my soulmate


My ghetto butterfly flew away from me.
I wait patiently, by windows and doorsteps.
Play, make believe, as my tears, poor chest,
won't succeed to breathe, if not to hear of you.

Surely there has never been a shade so blue.
A stank attitude, so not mad at you.
Not a magnitude to encompass the latitude
of my love for you.
No space and time compatible.

What do I have to do? What do I have to do?
Uh..my friends say I got it bad for you.
I do. But there's nothing in this world I'd rather do,
but you.


I want to make love to your existence,
drenched in colors of your energy,
then masturbate to the memories.
I wanna lose myself inside yourself...
Until you find me. Confine me,
to the freedom of your prison.
Exist in the same space, same time.
Combine until your thoughts slow grind with mine.

My, I wanna drink the sweat of your intellect,
reflect, and watch your light passion walk my neck.
Caress the sights of your presence with no question,
undress to the nakedness of love, pure love.
I want to make love to my soulmate... my soulmate...
make love to my soulmate...my soulmate...
make love to my soulmate, uh shit...

I wonder, how does it feel to make love to your soulmate.
Kind of like writing poetry till climax,
till the point and place where space and time match.
Can we cross the line, perhaps tell me would you like that.

Now would you like that, tell me would you like that,
would you like that, tell me would you like that,
would you like that, tell me?

I'm gonna ask you again now, tell me..
Would you like that, tell me would you like that,
now would you like that, tell me would you like that,
would you like that, tell me..

I wanna love you more than madly.
Wrap these legs around your words,
until your speech is straddled deep, gladly.
Swim the currents of your vibrations,
be separate in one
with the same meditation..

Uh the same meditation..

Uh you know what..
This, right here is poetry..


If love..
If love had a sound
this would be that sound.
And we,
well we,
We would be the band to play it.

01/08/2015

«Não morro de amores por pessoas sem mistério, quando se é muito transparente, muito risonho e educado é raro ser levado a sério. Prefiro os mais silenciosos, os que abrem a boca de menos, os mais serenos e mais perigosos. Aqueles que ninguém define e que sempre analisam os fatos por um novo enfoque. Prefiro os que têm estuque aos que deixam tudo à mostra na vitrine.»
Martha Medeiros

E de todos esses que são desse jeito, e prefiro-te sempre a ti.

06/07/2015

«Eu odeio conversa da chacha.
Eu quero conversar sobre os átomos, a morte, os aliens, sexo, magia, intelecto, o sentido da vida, galáxias distantes, música que te faz sentir diferente: Eu quero conversar sobre as memórias que temos, as mentiras que já contámos, os defeitos que nos estão debaixo da pele. Eu quer conversar sobre os teus cheiros predilectos, sobre a tua infância e o que é que te mantém acordado à noite. Eu quero conversar contigo as tuas inseguranças, os teus medos e os teus sonhos.
Eu gosto de pessoas com profundidade, com conteúdo, que falam com emoção que vem de dentro.
Eu não quero conversar contigo para saber "como estás" ?!»

O que eu quero é conversar com alguém que tenha conteúdo, que não seja só uma garrafa de vinho vazia sobre a mesa: eu quero que tu sejas o que o vinho provoca. Quero conversas desenroladas, quero conversas nocturnas de almofada que durem até surgirem os primeiros raios de sol. Eu não quero saber como foi o teu dia, saber que acordaste tarde porque ficaste a ver séries até ás 3 da manhã, que ontem choveu e que hoje faz sol e que quando foste fazer surf haviam ondas na praia. Eu queria que me dissesses que no mar é onde tu pertences e que me conseguisses explicar o que sentes quando rasgas as ondas com as quilhas, o que é que sentes quando a água salgada te beija os lábios que eu adoro, o que sentes quando o sol te seca a pele molhada e o que é que sentes quando finalmente voltas a pôr os pés na areia escaldada.
O que eu quero é que consigas ser mais daquilo que és e deixar-me entrar no teu universo, como num mergulho de um rochedo alto como quem se atira para um mar de ondas revoltas e barulhentas, sem saber se virá à tona de novo ou não.
O amor é essa vertigem. E eu que não sou corajosa, contigo saltaria o precipício.


23/06/2015

O amor é raro

«(...) O que eu tenho pensado ultimamente e que me tem trazido alguma calma é que o amor é muito específico. Não é mesmo fácil encontrar amor sincero. Aparência, interesses comuns e vida profissional são apenas critérios genéricos. Se não fossem, a plataforma do amor seria o Linkedin.

Apaixonante para mim é o homem que trata com educação o empregado de mesa. Que me chama de uma maneira fofa. Que tem pensamentos bonitos. Que consegue desenrolar uma conversa agradável numa festa cheia de desconhecidos. Pode parecer loucura, mas para mim a paixão está intimamente ligada ao tom de voz e à qualidade da playlist. Gosto de quem me olha com inteligência, de quem me abraça com vontade, de quem não se expõe demasiado.

Toda a vez que eu vejo um casal feliz, imagino que eles sejam resultado de algum alinhamento cósmico super complicado. Se já é difícil amar alguém, imagina amar alguém que te ama de volta. Que também valoriza em ti o que mais ninguém percebe. Considero que é uma missão difícil fazer-se insubstituível na vida de alguém num mundo em que ninguém mais levanta a cabeça, tão entretidos que estamos com o visor do telefone.

Como disse uma amiga, a questão não é ter um namorado: é ter o namorado certo. O amor é raro.»

E quando ele acontece, o amor vira magia.


texto retirado daqui

10/06/2015

"A ela faltava sorte, a ele faltava amor. Agora o que não falta para os dois é saudade."
Eu sei que só faz sentido com ele porque quando ele me apresenta a alguém diz sempre "esta é a minha esposa, a Catarina." Depois ri-se e abraça-me.


24/05/2015

#pensativando

Os olhos dele brilhavam como cristais trespassados por feixes de luz e a sua boca sabia a nuvens de algodão doce. Quando me deleitava horas a fio nos seus braços eu sentia que vivia no paraíso. E a minha casa passou a ser o teu coração: essa tempestade que agita a minha vida e esse porto-de-abrigo onde me sinto em paz.

Amo-te.

16/04/2015

tempestades em copos de água

Não gosto de comer sozinha. Não gosto de estar sozinha. Apercebi-me que não gosto de estar comigo própria porque, na grande maioria das vezes, sou muito dura comigo. E exijo demais de mim. E penso demais em coisas que me fazem mal. Não era capaz de me magoar a mim própria, mas as vezes fico tão perdida numa espiral negativa que sinto os pés atados no fundo e sem forma de fugir daquilo que eu estou a pensar.
No fundo, eu só queria alguém que me fizesse sentir melhor comigo própria, que me ajudasse a cortar os medos que me prendem os pés e me esticasse a mão para me levantar. Alguém disposto a estar do meu lado e que me dissesse, num abraço apertado e sincero, que não faz mal eu ser como sou, porque na verdade, eu sou melhor do que aquilo que eu penso que sou.
Eu só queria alguém que acreditasse em mim quando eu não sou capaz.


Obrigada por seres esse alguém que me agita e me mantém pés na terra e coração no céu.
Obrigada T., a minha tempestade e o meu porto de abrigo.

24/03/2015

#pensativando

«I feel like I’m on autopilot every day. I go to school, go home, listen to some music, do school things, and go to sleep. And that’s a scary place to be. Cause I’ve got dreams. And it seems I got no time to make them come true

04/03/2015

Alguém escreveu o teu nome: nas casas, nas ruas, nos comboios, no chão...

Eu escrevo sobre ti. 
Eu escrevo muito sobre ti! Escrevo tanto sobre ti como falo. E tantas são as coisas que estão escritas mas nunca vieram aqui parar... Palavras que guardo para um dia, quando o tempo chegar, te poder oferecer. Escrever faz-me ser o melhor que sei ser de mim. Sincera. Fiel. Escrever sobre ti faz surgir tudo o que há de melhor em ti. 
Quando te escrevo (que no fundo é o que faço) estou a dar-te o melhor que eu sei ser, estou a dar-te eu por inteira, com toda a minha alma. Quando te escrevo estou a dar-te a minha versão mais poética e romântica, o lado mais lamechas e mais sensível, o lado mais verdadeiro, que sempre foi verdadeiro contigo. Quando te escrevo estou-te a dar a Catarina que te ama acima de tantas coisas, a Catarina que faz com que tu sejas a fonte de inspiração e a fonte de sabedoria, a fonte das fontes e a única água que mata a sede. É a escrever-te que sou mais eu, mais dentro da minha essência. É a escrever-te que gosto mais de mim. E mais de ti - como se fosse possível gostar ainda mais de ti!
Quando tu escreves (e a tua escrita é sempre de outra forma) nunca te esqueces de mim. O meu nome aparece em todo o lado, indo e vindo, faça chuva ou sol. E é quando vejo que o meu nome viaja sempre dentro de ti e lado a lado com o teu, que eu tenho a certeza que quero ficar contigo para o resto da vida. 
Não sei de quantas maneiras é possível amar a mesma pessoa. Mas eu tenho uma certeza que eu quero amar vezes infinitas esse meu rapaz irreverente que escreve o meu nome sempre que escreve o dele. 

Eu escrevo-te. E tu escreves-me. E é neste encontro de palavras que somos um.

25/02/2015

4 minutos


4 minutos, daqui.


"Existe um estudo científico que diz que casais que ficam 4 minutos ininterruptos se olhando adquirem mais intimidade e podem se apaixonar mais facilmente."

Os olhos são o espelho da alma. E o teu olhar é o reflexo daquilo tudo que eu sinto por ti. Desde o primeiro dia que os teus olhos me enfeitiçaram. 4 minutos bastou para que eu me apaixonasse por ti. Foi desde o primeiro dia em que mergulhei no mar esverdeado dos teus olhos que nunca mais soube deixar de flutuar, de sonhar, de me sentir livre e ao mesmo tempo tão amada. Como se mar dos teus olhos me envolvessem a minha pele, ensopando-me até ao coração, até à alma, até à essência de mim. A maré invadiu-me por dentro, como uma onda que vem sem se estar a espera. Fui apanhada de surpresa. Mas eu cresci no mar. Eu cresci a sentir a pele salgada, os pés na areia, a brisa a bater nas velas e a levar-nos. Eu nunca tive medo do mar e deixei-o (tu) entrar em mim.
A olhar os teus olhos percebi que tu tinhas medo de coisas que estavam escondidas, que a vida é um pedaço que nos molda mas que, sobretudo, somos nós que nos tornamos quem queremos ser. No teu olhar eu durmo e sonho. No teu olhar acordo e continuo a sonhar. E é quando estás a meu lado de olhos fechados que eu penso que tenho a maior sorte do mundo de poder acordar do teu lado e sentir-te ali, mesmo ao lado, e podermos sentir isto, desta forma tão alucinada, tão cega, tão apaixonante, tão profunda e tão leve.
Quando te olho nos olhos, eu vejo a mulher que me tornei, que me tornaste. Quando te olho nos olhos, eu vejo que és metade do que eu não sou capaz de ser. E eu sou a metade do que tu não és. E somos metades da mesma laranja. E mesmo que sejamos metades de feitios diferentes, acabamos por ser feitos da mesma matéria.


Amo-te, T.

19/02/2015

"You deserve someone who will challenge you instead of just giving in." 
Because challenge makes you feel alive. And feel alive is the best way to feel you are worth it. 


Thank you for challenge me every single day to become a better person after all, T.

12/02/2015

NÃO É NORMAL

encontrei-o em A GAJA, no facebook.


«NÃO É NORMAL

Não, não é normal pegares no telemóvel do teu namorado e leres todas as mensagens, recebidas ou enviadas, para depois o confrontares com isso.
Não, não é normal roubares a password do Facebook da tua namorada, entrares na conta dela e veres com quem é que ela anda a falar. Também não é normal que uses o Facebook dela, te faças passar por ela e fales com hipotéticos casos (que só existem na tua cabeça) em busca de uma prova que a incrimine.
Não é normal aproveitares o facto do teu namorado ter deixado o email aberto para lhe espiolhares o extrato bancário, as newsletters, os emails enviados e recebidos.
Não é normal perderes mais do que um segundo do teu dia a analisar detalhadamente que é o teu gajo segue no Twitter, qual o rácio de gajas/gajos a fazerem-lhe "gosto" no Instagram para depois lhe foderes a cabeça "quem são aquelas putas que estão sempre a por like nas tuas coisas?"
Não é normal. Faz de ti um anormal. E não, não é uma "questão de confiança", como tu tanto gostas de apregoar. "Tens alguma coisa a esconder?!", ameaças tu, depois de seres apanhado. "Quem procura, acha", já dizia a tua mãe, mas tu nem te lembras disso porque vives obcecado com fantasmas, complôs, vês traições em todo o lado. Toda a gente é uma ameaça. E, no meio disso tudo, nem te apercebes que estás a tratar a pessoa que (supostamente) amas como um atrasado mental. "Quem procura, acha". E, se calhar, um dia,  quem amas vai-se fartar dessa tua mania de brincar à PIDE e vai fazer-te um "unfollow". Na vida real.»


Porque amor sem confiança, não é amor. Nem é nada.
E todos temos direito de errar, Uma vez. E sobretudo aprender a lição, pedir desculpa, nunca mais repetir o erro e, sobretudo, valorizar quem nós escolhemos e quem nos escolheu para ficar ao nosso lado. 

Vivam felizes, ligados um ao outro. Na vida real.

26/01/2015

Elas

Daqui, para todas as amigas do mundo, mas para as minhas, em especial.

«Tem dias em que a gente acorda e não quer a mãe, nem o namorado, nem o sapato novo e nem mesmo o Adam Levine. Tem dias em que a única solução é uma delas por perto. Tu e elas. 
Elas. Que colocam o dedo na ferida e de seguida fazem o curativo. Que te julgam e nunca te condenam. Que apontam todos os teus erros e desenham o mapa do caminho mais seguro. Que dizem que vão te matar se tu fizeres isso de novo e tu fazes de novo e elas não te matam. Resgatam-te. 
Tem dias em que a gente só queria que não tivesse trabalho, não tivesse distância, não tivessem maridos, namorados e casos. Que a gente queria acordar como nos velhos tempos, édredons para dormir no chão, sem hora para nos levantar. Pijama e elas. 
Elas, diariamente. Elas, que são a nossa terapia sem precisar dizer nada, pelo simples facto de estarem lá, a compartilhar as calorias, as frases decoradas dos filmes, as angústias secretas do nosso peito. Tem dias em que não dá pra esperar até sexta. Que tem que ser agora, como era na escola, na faculdade, na pós, na chegada no trabalho. Que vocês iam até à casa-de-banho pra conversar e chorar e rir e demorar e curar. Casa-de-banho e elas. 
Elas. Que são omnipresentes, que mesmo não estando, estão. Que mesmo quando a gente não se pode atirar nos seus braços, nos amparam. E que mesmo que a gente não consiga nem mesmo falar, contar, lamentar, mesmo que elas não saibam de nada, o simples facto de pensar nelas já acalma. 
Mas não basta. Tem dias em que o mundo parece injusto, que os dias parecem vazios, que as tecnologias parecem inócuas. Dias em que a gente quer que elas peguem no nosso cabelo, digam que precisamos de hidratar ou cortar as pontas. Que a gente quer segurar aquela mão tão conhecida, com verniz lascadinho na ponta. Dias em que a gente quer colo seguro de amiga. Segurança e elas. 
Elas que não têm o colo acolhedor da mãe, nem o peito protector do namorado, nem o poder de um sapato novo, nem o abdómen tatuado do Adam Levine. Mas que são um oásis quando a vida parece difícil, um norte quando estamos sem rumo, um cais para onde podemos eternamente voltar. Elas, as únicas que brigam, apontam e julgam sem doer. As únicas que atiram-nos as verdades evitadas, mas em cujas mãos viram purpurina. 
Elas, que pintam a vida nos dias cinzentos. 
Elas, que adoçam o peito quando ele ameaça ficar amargo. 
Elas. 
Elas e mais nada.»

Às minhas elas, C, M, S, V, e recém J e R.
Obrigada amigas, por estarem sempre lá.

09/01/2015

15 Things Women Should Never Apologize For Wanting

roubado daqui




1. To wear a swimsuit that YOU love, regardless of whether you're apple-shaped, pear-shaped, or some form of quadrilateral.

2. A core group of friends to turn to even if they live a few miles away.

3. Something to be passionate about, like singing or animals or helping other humans.

4. To actually want to frolic in a field of flowers, at least once.

5. To want exactly as much as sex as we want — even if that's none at all.

6. A companion (or two) in the shape of another human or furry creature.

7. The ability to be girly or ultra tomboy and still be taken seriously as a person.

8. To wear that outfit you spend a third of your paycheck putting together.

9. A kick-ass semester in school (or month at work).

10. Dry-shampoo on demand and nail polish that doesn't smudge.

11. The ability to find the perfect dress for that one occasion.

12. A free pass to brag on Facebook without being judged.

13. A space — anywhere — where you can just disconnect from the world.

14. One night a month (at least) of dancing until the sun comes up.

15. A truly excellent Insta.