Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

29/01/2017

Era noite e chovia e eu parti o teu coração. Eu vi nos teus olhos desolados e húmidos a desilusão das minhas palavras no teu coração. E eu nunca me senti tão má quanto ontem.
Quando me perguntaste se eu já não me lembrava de nós eu respondi que claro que lembrava. Impossível era esquecer tudo o que me ensinaste. Contigo aprendi a não ter tanto medo do amanhã, a acreditar em mim, a arriscar, a ir mais longe. Aprendi que não é o que um homem diz onde está a sua essência e sim naquilo que ele faz. Aprendi que os defeitos fazem parte e que viver num mundo cor-de-rosa não faz mal, apesar de ingénuo.
O que eu não te disse foi que fizeste de mim a miúda mais feliz nos últimos 3 anos, e que contigo aprendi a ser a mulher que sou hoje.
Provavelmente fui injusta e egoísta, mas tive medo do futuro. Tive medo... Como sempre tive. E deixei que ele vencesse. O problema está na minha cabeça, e tu sabes que vou ter de resolver isto. Mais injusto seria arrastar-te para este furacão dentro de mim, e eventualmente destruir o que ainda há de bom em nós. Eu também acho que será só uma fase, mas não podia ficar contigo agora. Eu preciso de ficar sozinha e aprender a lidar com estas emoções.
Nunca vou deixar de te amar porque eu sou parte daquilo que tu és.
Não te posso pedir para não deixares de acreditar em nós. Mas agora não podemos estar juntos. Espero que um dia ainda me possas receber de braços abertos e com o teu olhar azul a entrar novamente na minha alma.

Amo-te T. Sempre.