Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

28/01/2011

Elogio ao amor (puro)

«Quero fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria.
Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo". O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam "praticamente" apaixonadas.
Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá tudo bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?
O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental". Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade. Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto.
O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não dá para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe.
Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem.
Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir.
A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também.»

por Miguel Esteves Cardoso in Expresso
Eu acredito no amor, acredito com quanta alma sonhadora eu tenho. Obrigada meu amor, por estas palavras que me fizeste conhecer e pelo amor puro que tinhas, e tens, guardado pra mim.
Um dia eu prometo-te uma vida ao teu lado, quem sabe, mas por agora prometo-te o meu amor, e esse eu sei que é para sempre. Por agora prometo-te o meu coração, limpo, puro, calmo, feliz, sonhador.

Um verdadeiro elogio ao amor puro. Um verdadeiro elogio a ti.

Bons sonhos meu pequeno príncipe.

20/01/2011

A Bela e o Paparazzo

«Então vou-te contar uma história.
No Bairro Alto, uma noite, uma rapariga está tristíssima sentada no passeio, agarrada ao telemóvel e está a chorar. E há um rapaz que passa e vê a rapariga e pensa: Eu tenho que fazer sorrir esta rapariga. E aquilo torna-se o objectivo dele naquela noite... ele vai contra os candeeiros, ele dá cambalhotas, ele faz o pino, ele cita sketches dos Monty Python... E ela finalmente sorri (...)
Vão para casa os dois, num dia beijam-se, no outro despem-se... Ok, parecia que estava ali a começar uma coisa muito bonita entre eles, uma história de amor absolutamente arrebatadora.
Um dia ele acorda, olha para o lado e ela não está lá.
Há um bilhetinho na mesa de cabeceira, e nesse bilhetinho sabes o que estava escrito?
Estava escrito: "Desculpa. Tu fizeste-me sorrir... Mas ele faz-me chorar."»
Por Nuno Markl em A Bela e o Paparazzo de António-Pedro Vasconcelos, 2010
(excelente filme! (: )


E digo, afirmo sem medos e sem intenção de voltar a tocar na ferida que já cicatrizou, em tempos muito distantes do tempo em que eu estou agora, eu fui esta rapariga.

18/01/2011

. 2

Só quero ficar fora disto, mas o problema é que já estou demasiado dentro.
Eu jamais quero magoar seja quem for, não me está no sangue ser má, não me está no sangue ser alguém que não sou mas a verdade é que eu não sei ficar calada durante muito tempo. Quando digo ou sou má, ou sou bruta ou sou mal compreendida pelos outros porque pensam que digo da boca pra fora ou pra dizer mal, mas na verdade só digo porque gosto, e quando não posso mesmo dizer o que me vai na alma, a alma transborda pelos olhos, como se fossem as palavras que não pude dizer. Eu não sou incorrecta, não sou bruta, não sou mal-educada nem mesmo antipática. O que eu sou é sincera, e aí está a grande diferença!
Mas a verdade é algo que a maioria teme, e a verdade dói.
A ver no que isto dá.

17/01/2011

Gosto tudo de ti

E hoje deu-me pra me lembrar das idas ao pavilhão do conhecimento com a minha irmã mais nova, com o meu primo emprestado que sempre o tratei como se fosse da minha família e a minha sempre querida avó. E que belo tempos eram esses em que íamos sempre nas férias do Verão, mais do que uma vez. Pena achar que não tenho nenhuma fotografia desses tempos, devia eu ter uns 10 anos mais ou menos, não sei.
E aquelas vezes em que ia dormir a tua casa, apenas nós as duas, porque, nos dias de grande festa, eu tinha medo do fogo de artifício e tu me contavas histórias pra adormecer. Contavas-me a Carochinha e o João Ratão, contavas-me a história de um menino que mentia e que depois quando disse a verdade ninguém acreditava nele, e tantas outras histórias, passadas de geração em geração, contadas a mim, por ti, pela tua voz de senhora que viveu uma vida cheia e que agora tem mais que merecido o seu descanso.
A minha avó é a melhor mulher que eu já conheci, a mais corajosa, a mais bondosa, uma mulher de armas, destemida, lutadora, a mais atenciosa, a mais querida, a senhora dos seus cozinhados e dos seus doces, uma grande mulher sem dúvida. Foi ela que me ensinou a ser muito do que sou hoje. Ensinou-me a ser educada em todas as circunstâncias, a não querer saber da vida dos outros, a ver sempre a bondade nas pessoas, a ajudar sempre que puder, a não dar dinheiro a sem-abrigos quando pedem dinheiro mas sim dar comida quando pedem comida, aprendi a coser à mão e à máquina com ela, aprendi a conversar, ouvi histórias da sua pouca infância, da sua pequena juventude, e da sua longa e duradoura vida, do seu grande amor que, apesar de já não ser vivo ainda eu não era nascida, é bonito ver como ela ainda o ama e como ainda fala dele com uma calma e sensatez nunca antes vista. Se eu acredito no amor é por causa dela, minha querida.
Ás vezes digo "Ai que está tão chata. Ai que repetiu a mesma história mais de mil vezes. Ai que já não ouve bem.", é a velhice, tens destas coisas... Mas a verdade é que nasci com ela, cresci com ela e sem ela não sei ficar.
Espero que fiques ao pé de mim durante muuuito tempo vovó.
Gosto tudo de ti, gosto tudo de ti, gosto tudo de ti <3

MY GRANDMA ROCKS!

13/01/2011

U Can't Touch This

Hoje estive o DIA todo com uma queda pra esta música ahah
U CAN'T TOUCH THIS! TURURURU TXI TXI TURU TXI TXI TURU



12/01/2011

Quem espera sempre alcança

Eu "nunca te deixei cair, e não vou largar-te porque me alimentas a veia, és uma droga dura, muito boa, como todas as drogas, mas isso é o que oiço dizer, porque nunca experimentei" drogas a não ser a tua. (palavras de MRP.)
E a sede de ti aumenta, e não é de dia pra dia, porque os dias passam tão devagar que parecem anos. A semana, essa sim passa depressa, e quando dou por mim, no final do dia sei que não te vou poder ver, sei que vou ter que ir pra casa, com ar desanimado e cansado. Talvez as únicas coisas que me vão dando alguma esperança é a tua voz quando me
ligas, ou pelo menos a tua voz mata um pouco da sede que tenho de ti. Mas sede de ti e saudades tuas são coisas que me matam aos poucos, como um veneno doce. Tu tiras-me do sério, achas normal? Achas correcto? É que eu não consigo tirar-te da cabeça! E se eu te dou um beijo quero logo outro a seguir, e esta sede não se mata nunca, nem com água, nem com beijos, nem com nada! Eu sinceramente acho que não me devias ter prendido tanto, ou se calhar eu é que não me devia ter prendido tanto, mas era inevitável não me apaixonar por ti, era inevitável não tentar descodificar o teu mistério e agora o que me resta é o meu pobre corpo, coberto de pele e sonhos, só isso, porque a minha alma levaste-a tu. Levas quando vais pra longe de mim e trazes quando voltas, levas quando me vens buscar e trazes quando me vais leva
r. Olha, digo-te, assim não dá! Eu não acredito em seres sem alma! Mas no fundo, ou na verdade, eu não sou um ser sem alma, porque ela está contigo, viajando por entre puras telepatias dos nossos sonos cheios de sonhos.
Posso não ter alma quando não estou contigo mas pelo menos ainda tenho o coração, e esse sim, bate com força todos os dias, sempre na esperança de te ver no dia seguinte, e, só para que sabias e para que conste que acredito em mim e em ti, meu amor, quem espera sempre alcança.
E o quanto eu esperei por ti para agora estar a viver o mais puro, complexo, profundo, verdadeiro e cheiro de sintonia amor perfeito (ou quase, muito perto da plenitude)!

12 Jan 2011

Presumo que horas de sono mal dormidas originam menos tempo pra sonhos e, consequentemente, falta de imaginação. Sabem lá o horror que isto é! E eu até lido bem com o stress e a pressão, o problema é que assim não dá, falta-me a vontade, a inspiração. Que falta me fazem os sonhos!... Sonhos, sonhos, voltem bem depressa que estou a dar em maluca!

Já agora, aproveito para informar que vou começar a frequentar o ginásio, a ver se gosto daquilo e se fico preparada fisicamente pro Verão, e não achem presunção nem vaidade da minha parte, eu acho que todos devemos cuidar no nosso corpo. Bem, eu cá gosto de ser saudável e de exercício físico (:
PS: Tenho saudades das minhas meninas, saudades de estar uma tarde inteira a falar com elas, sobre tudo e sobre todos.
PS2: D, tenho uma surpresa pra ti.

01/01/2011

after party

Após música, copos, amigos, limpar a casa e madrugar pra minha caminha, corpo dormente, pés cheios de dores e sentir-me extremamente cansada, finalmente estou em casa, sentada na cama ao pc. Até que gostava que tivesse bom tempo hoje, estou com tanta vontade enoooooorme de tirar fotografias da varanda! Mas não o faço, o tempo está incerto e frio e a preguiça apoderou-se das minhas pernas e elas ficaram imóveis, perdidas, não as sinto e por isso não me mexo. A Cuca também não, que está aqui deitada ao meu lado.
Objectivos para 2011: Juntar (muito) dinheiro pra comprar uma máquina fotográfica com objectivas e mais tarde um macbook, fiz um balanço e vai ser bastante demorado ahah.








Ideias pra ganhar dinheiro? Não tenho, chiça penico! Alguém me ajuda a dar ideias? Aguardo respostas.