Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

25/12/2011

What.inspires.me

Bom Natal a todos! Andei desaparecida. No início das férias fui para a zona de Coimbra e fiquei lá até Terça-Feira (após ter perdido o Inter-Cidades na segunda-feira). Foi muito bom e adoro as pessoas de lá, sobretudo a malta jovem que é muito dada ao convívio e mesmo com 2ºC na rua à noite, eles saiem como se tivessem 10ºC em Lisboa! É óptimo, mas eu, que estou habituada ao clima mais quentinho, quase morri de frio! Mas valeu a pena todo o frio, só foi pena não ter levado a máquina fotográfica!
Verdade seja dita, ando uma desconectada por aqui porque há muito que não vinha cá, mas hoje estou totalmente inspirada por uma blogger portuguesa com 17 anos, tal como eu, que estuda Moda no Porto e tinha que partilhar com vocês (quem lê ou segue ou passa por aqui porque calhou):O blog chama-se Restless Bones (http://restless-bones.blogspot.com/) e é da Catarina Oliveira. Ela, amante de moda, e eu adorei as suas publicações. Um Blog jovem e cheia de estilo (e a Catarina também) que encontrei por acaso no Facebook.
Fica a inspiração de hoje com o logótipo e algumas fotografias dela.

PS: Ela faz-me querer alterar o meu guarda-roupa completamente!

06/12/2011

Return (re-escrito do dia 3/Março/2010

O tempo não pára, mas nós sim. O tempo não pensa, mas nós sim. E o melhor mesmo é tomar consciência do que fizemos, saber se queremos repetir a experiência ou não, cometer erros que já cometemos antes ou não e por isso quando cheguei à parte de ter que escolher entre dois caminhos parei. Parei e pensei que não queria nenhum dos dois que ali estavam perante os meus olhos. Dei dois passos pra trás e senti que o chão ainda estava ali, que também era terra embora já a tivesse pisado antes. Dei mais 3 passos pra trás e o caminho atrás de mim continuava. Desta vez dei meia volta e ali estava o meu caminho.
Fui por esse caminho já percorrido antes, atrás do que sentia, desta vez a correr, com pressa de chegar de onde tinha partido, com pressa de chegar ao teu coração, mais uma vez, de onde eu nunca tinha saído.
À medida que ia correndo de encontro a ti, pensava que a mente nos atraiçoava de vez em quando e que nada nem ninguém podia tirar-nos o que sentíamos.
E o que eu sentia era que cada vez que dava um passo ia ficando mais perto de ti, desejando-te cada vez mais e tu, nesses jogos de sedução com teu olhar a dançar na minha mente, fazendo-me caminhar pra ti cada vez mais depressa. Agora que começámos a jogar não vamos parar, vai ser do género Monopoly, onde jogamos até algum de nós se fartar.
Tu voltas-te ao meu coração e eu voltei a ti.

Estou mais impotente que nunca, tu conheces-me como a palma da tua mão, sabes-me de cor e agora que as minhas mãos estão sobre as tuas, o meu mundo já não está mais em paralelo com o teu, está inserido em ti, está nas tuas mãos.

(Este texto encontra-se escrito outrora aqui, dia 3 Março 2010.)

What.inspires.me





As inspirações de hoje são a música e o dito e re-dito amor (mas só um pouco).
Este post já veio atrasado, mas foi um fim de semana complicado em termos de estudo e trabalhos para a minha querida escola. Novidade em primeira mão: Eu e o Diogo estamos a endireitar as coisas. Aquele rapaz mata-me o juízo, mói-me a paciência, é complicado até dizer chega... Mas eu adoro todos os pequenos detalhes daquela bela peça que me saiu! (E ele atura-me - e muito - e isso é obra que eu não sou fácil de aturar!)
Boa semana, bom feriado (enquanto os há) que eu só tenho mais um teste na sexta-feira de Geometria Descritiva (ai tão bom -.-''). À noite comemora-se aniversários e festeja-se o início da última semana de aulas!
Ai que me vai saber tão bem estas férias tão pequenas mas tão recheadas!

Agradeço bastante aos "Anónimos" que me deram força para acreditar no meu coração e seguir com ele nas mãos, tentando devolver-lhe o seu lugar (que é com quem se ama). Eu gostava que as pessoas não fossem anónimas, mas mesmo que não queiram dizer quem são, podem ser siglas ou inventar nomes e colocar no final, assim eu podia dirigir-me a cada uma delas individualmente. "Anónimo" é uma palavra chata! E eu gosto de nomes! (mas jamais os conseguirei decorar - eu sou boa com caras, péssima com nomes). But i will try! :D
Obrigada mesmo malta "Anónima", vocês são fantásticos por lerem estas tretas que eu meto para aqui há já mais de 3 anos :)

01/12/2011

Maldito coração!

Eu não sei mais quem sou. Talvez porque sou algo que nunca fui outrora.

Ontem fui ao concerto de Reggae no Campo Pequeno, foi absolutamente lindo. Mais a música que a fumarada que lá andava, mas ainda assim, para quem sabe apreciar música, soube que foi um bom concerto. Para mim, em especial...
Fui de carro com a minha irmã e uma amiga dela e o Diogo (o meu Diogo), que também é amigo da minha irmã, veio no carro. Fomos os 4 e foi estranho.
Doeu-me tanto no peito tê-lo ali ao meu lado e não o ter mais. E tudo o que vivemos veio à tona na minha cabeça... Eu esforcei-me para não chorar (e não chorei), mantendo-me no espírito da festa, do concerto.
Eu e o Diogo temos um passado ainda muito recente e, apesar de eu ter sido egoísta e ter escolhido o caminho de estar sozinha, eu sinto que me falta muitas coisas sem ele. Não falo só de afectos, falo de uma vivência a dois, de um simples mão-dada, de ficar para jantar. Falo de pequenas coisas, pequenos gestos, pequenos olhares que se cruzam e que diziam tudo. Tenho saudades dele, do corpo dele, dos beijos, do cheiro, dos risos, dos defeitos e das virtudes. E sinto que tudo o que eu sou não faz muito (ou quase nenhum) sentido se ele não estiver comigo, mesmo que esteja comigo só no coração.
Eu não tenho raiva do Diogo, seria muito mais fácil para mim esquecê-lo se tivesse, mas como é possível ter raiva de alguém que é das melhores pessoas que se conhece?!
E eu tenho tantas saudades dele, admito...
Passou mais de um mês desde que já não somos nada um ao outro, mas quando o vejo o meu coração salta sempre uma batida. Maldito coração!