Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

24/03/2015

#pensativando

«I feel like I’m on autopilot every day. I go to school, go home, listen to some music, do school things, and go to sleep. And that’s a scary place to be. Cause I’ve got dreams. And it seems I got no time to make them come true

04/03/2015

Alguém escreveu o teu nome: nas casas, nas ruas, nos comboios, no chão...

Eu escrevo sobre ti. 
Eu escrevo muito sobre ti! Escrevo tanto sobre ti como falo. E tantas são as coisas que estão escritas mas nunca vieram aqui parar... Palavras que guardo para um dia, quando o tempo chegar, te poder oferecer. Escrever faz-me ser o melhor que sei ser de mim. Sincera. Fiel. Escrever sobre ti faz surgir tudo o que há de melhor em ti. 
Quando te escrevo (que no fundo é o que faço) estou a dar-te o melhor que eu sei ser, estou a dar-te eu por inteira, com toda a minha alma. Quando te escrevo estou a dar-te a minha versão mais poética e romântica, o lado mais lamechas e mais sensível, o lado mais verdadeiro, que sempre foi verdadeiro contigo. Quando te escrevo estou-te a dar a Catarina que te ama acima de tantas coisas, a Catarina que faz com que tu sejas a fonte de inspiração e a fonte de sabedoria, a fonte das fontes e a única água que mata a sede. É a escrever-te que sou mais eu, mais dentro da minha essência. É a escrever-te que gosto mais de mim. E mais de ti - como se fosse possível gostar ainda mais de ti!
Quando tu escreves (e a tua escrita é sempre de outra forma) nunca te esqueces de mim. O meu nome aparece em todo o lado, indo e vindo, faça chuva ou sol. E é quando vejo que o meu nome viaja sempre dentro de ti e lado a lado com o teu, que eu tenho a certeza que quero ficar contigo para o resto da vida. 
Não sei de quantas maneiras é possível amar a mesma pessoa. Mas eu tenho uma certeza que eu quero amar vezes infinitas esse meu rapaz irreverente que escreve o meu nome sempre que escreve o dele. 

Eu escrevo-te. E tu escreves-me. E é neste encontro de palavras que somos um.