Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

25/02/2015

4 minutos


4 minutos, daqui.


"Existe um estudo científico que diz que casais que ficam 4 minutos ininterruptos se olhando adquirem mais intimidade e podem se apaixonar mais facilmente."

Os olhos são o espelho da alma. E o teu olhar é o reflexo daquilo tudo que eu sinto por ti. Desde o primeiro dia que os teus olhos me enfeitiçaram. 4 minutos bastou para que eu me apaixonasse por ti. Foi desde o primeiro dia em que mergulhei no mar esverdeado dos teus olhos que nunca mais soube deixar de flutuar, de sonhar, de me sentir livre e ao mesmo tempo tão amada. Como se mar dos teus olhos me envolvessem a minha pele, ensopando-me até ao coração, até à alma, até à essência de mim. A maré invadiu-me por dentro, como uma onda que vem sem se estar a espera. Fui apanhada de surpresa. Mas eu cresci no mar. Eu cresci a sentir a pele salgada, os pés na areia, a brisa a bater nas velas e a levar-nos. Eu nunca tive medo do mar e deixei-o (tu) entrar em mim.
A olhar os teus olhos percebi que tu tinhas medo de coisas que estavam escondidas, que a vida é um pedaço que nos molda mas que, sobretudo, somos nós que nos tornamos quem queremos ser. No teu olhar eu durmo e sonho. No teu olhar acordo e continuo a sonhar. E é quando estás a meu lado de olhos fechados que eu penso que tenho a maior sorte do mundo de poder acordar do teu lado e sentir-te ali, mesmo ao lado, e podermos sentir isto, desta forma tão alucinada, tão cega, tão apaixonante, tão profunda e tão leve.
Quando te olho nos olhos, eu vejo a mulher que me tornei, que me tornaste. Quando te olho nos olhos, eu vejo que és metade do que eu não sou capaz de ser. E eu sou a metade do que tu não és. E somos metades da mesma laranja. E mesmo que sejamos metades de feitios diferentes, acabamos por ser feitos da mesma matéria.


Amo-te, T.

19/02/2015

"You deserve someone who will challenge you instead of just giving in." 
Because challenge makes you feel alive. And feel alive is the best way to feel you are worth it. 


Thank you for challenge me every single day to become a better person after all, T.

12/02/2015

NÃO É NORMAL

encontrei-o em A GAJA, no facebook.


«NÃO É NORMAL

Não, não é normal pegares no telemóvel do teu namorado e leres todas as mensagens, recebidas ou enviadas, para depois o confrontares com isso.
Não, não é normal roubares a password do Facebook da tua namorada, entrares na conta dela e veres com quem é que ela anda a falar. Também não é normal que uses o Facebook dela, te faças passar por ela e fales com hipotéticos casos (que só existem na tua cabeça) em busca de uma prova que a incrimine.
Não é normal aproveitares o facto do teu namorado ter deixado o email aberto para lhe espiolhares o extrato bancário, as newsletters, os emails enviados e recebidos.
Não é normal perderes mais do que um segundo do teu dia a analisar detalhadamente que é o teu gajo segue no Twitter, qual o rácio de gajas/gajos a fazerem-lhe "gosto" no Instagram para depois lhe foderes a cabeça "quem são aquelas putas que estão sempre a por like nas tuas coisas?"
Não é normal. Faz de ti um anormal. E não, não é uma "questão de confiança", como tu tanto gostas de apregoar. "Tens alguma coisa a esconder?!", ameaças tu, depois de seres apanhado. "Quem procura, acha", já dizia a tua mãe, mas tu nem te lembras disso porque vives obcecado com fantasmas, complôs, vês traições em todo o lado. Toda a gente é uma ameaça. E, no meio disso tudo, nem te apercebes que estás a tratar a pessoa que (supostamente) amas como um atrasado mental. "Quem procura, acha". E, se calhar, um dia,  quem amas vai-se fartar dessa tua mania de brincar à PIDE e vai fazer-te um "unfollow". Na vida real.»


Porque amor sem confiança, não é amor. Nem é nada.
E todos temos direito de errar, Uma vez. E sobretudo aprender a lição, pedir desculpa, nunca mais repetir o erro e, sobretudo, valorizar quem nós escolhemos e quem nos escolheu para ficar ao nosso lado. 

Vivam felizes, ligados um ao outro. Na vida real.