Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

26/09/2009

Livre

(fotografia: Catarina Gaspar)

Quero voar, ser livre, cantar bem alto sem medos, dançar como se ninguém estivesse a ver, rir até doer a barriga e abraçar até mais não. Correr e rodopiar até ver tudo à roda, como fazia em criança. Quero ver o mar e sentir o cheiro a sal. Quero saber o que é que tu pensas e quero fazer-te sorrir, fazer-te feliz. Quero tremer de nervosismo e quero chorar de alegria. Quero saltar até à exaustão e quero beijar as bochechas delas. Quero dizer-lhes que são muito mais do que pensam e que fazem o que sou hoje. Quero viajar para outro lugar, quero tocar guitarra até ficar sem pele nos dedos (talvez um dia mostre-vos alguma coisa tocada por mim, quem sabe). Quero liberdade, quero dizer o que penso e dizer o que gosto, sem julgamentos, sem medos. Quero tudo e não quero nada.
Quero ser eu.

22/09/2009

Erros por defeito

Eu errei mas só te quero a ti, fica comigo e dá-me mais uma oportunidade. Escolhe o caminho de nós os dois, eu e tu juntos. Abraça-me, aquece-me, dança comigo sem música, rodopia comigo no ar e sorri pra mim. Olha-me com os teus olhos doces e promete-me outra vez que nunca me vais deixar.




PS: i love you.

11/09/2009

Novo rumo

A lua já sem luz, sol já sem calor. A rotina do dia já não faz magia, e a magia já não tem cor. Algumas amizades, com o tempo, já se vão perdendo. Os sorrisos vão ficando esquecidos neste mundo, nesta terra dorida.
Não entendo... Porque é que o mundo tem de ser ao contrário pra se perceber?! Porque é que as pessoas estão cada vez mais fracas pra entender?!
Entender a essência da vida, o brilho da liberdade, o calor das paixões e a alegria dum simples sorriso! Hoje em dia ninguém repara na pessoa que vive ao nosso lado, já não se diz "bom dia" ao porteiro, já não se cumprimentam as pessoas e dizer "Olá, está tudo bem? Tudo óptimo e contigo?". Agora a moda é dizer "está-se indo", a moda do vai-se andando e ninguém anda pra lado nenhum, na realidade, pois estamos sempre no mesmo sítio, sem qualquer um progresso!
É preciso mudar o mundo, que este está tão escuro e basta um sorriso pra haver mais um ponto luminoso no ar.
Basta querer, aprender de novo, a sorrir e a ser feliz.
Basta tentar até acertar, conseguir e vencer!
Basta caminhar, desta vez em frente, e encontrar um novo rumo a ter.

03/09/2009

Amar


« Amar é sorrir por nada e ficar triste sem motivos, é sentir-se só no meio da multidão, é o ciúme sem sentido, é ser feliz de verdade. »


Quando ela o conheceu ela sabia que ele era diferente, diferente dos outros, diferente do mundo. Ela não sabia bem se isso era bom se mau, não sabia o que podia falar com ele, não sabia os seus gostos, não sabia o seu cheiro, o seu toque ou o seu sabor. Sabia que o queria, como uma criança quer um brinquedo diferente e novo. Ele era mais que um brinquedo, era mais que mais uma pessoa no mundo, era mais que um rapaz, era mais que diferente. Agora ela desejava-o como seu, mas não como um brinquedo como d'antes e tentar descobrir como funcionava, e sim desejar fazer parte dele, tornar-se um só, quando juntos... Queria-o como o dia quer o Sol e como a noite quer a Lua, queria-o como o mar precisa da água salgada, como a praia precisa da areia dourada.
Ela perguntava-se, tantas e tantas vezes, se ele a desejava da maneira que ela o desejava. Ambos eram tão diferentes e diálogos não fazem a diferença, pois os gestos falavam as palavras que a boca não conseguia pronunciar... Como se os beijos, os abraços e os olhares fossem a única linguagem.
O sol já se punha e ela só queria abraçá-lo, senti-lo bem de perto, sentir o seu perfume e deixar-se aquecer pelo seu calor. Uma música de fundo, vinda do nada começou a tocar, era suave e sabia tão bem ouvi-la. Ela sabia que já se fazia tarde e que tinha de voltar pra casa, esperou até a música acabar, mas a música não acabava. Em vez de acabar voltava ao início, recomeçando a bela melodia, como se isso fosse o recomeço do abraço, o recomeço do calor, o recomeço de toda a noite mágica envolvida em amor.