Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

05/11/2009

A carruagem

Ia em passo lento, de carapuço na cabeça, acompanhando a música que lhe soava nos ouvidos através do iPod, rumo à estação de comboios.
Na estação ela não queria ver o que estava a acontecer, só lhe apetecia fugir deste planeta! - Ele estava com outra, felizes e muito íntimos, como dois apaixonados.
Os olhares dele e dela cruzaram-se e ele não conseguiu esconder o sentimento que ainda tinha por ela, os seus olhos fintavam os dela, e ao passar, sentiu-lhe o mais doce perfume, o perfume dela.
Ela tentava esconder todas as lágrimas, toda a tristeza, toda a revolta. Sentou-se no último banco da estação, sozinha, esperando o seu comboio.
Alguns olhares entre os dois trocaram-se.
O comboio chegou. Ela entrou na primeira carruagem e ele permanecia intacto, sem se mexer, sem fala, apenas a olhar pra ela. As portas estavam a fechar e ele estava do lado da última carruagem. Não pensou mais, entrou na ultima carruagem com as portas quase a fechar.
Ela chorava, sem olhar lá pra fora. Estava a ter um dia péssimo.
Já sem lágrimas, já sem tristeza, já sem o aperto no peito que tanto a sufocava, já sem a chuva e sem rua molhada, ergueu a cabeça com os cabelos doirados. Ergueu porque tinha de ser, ergueu porque não podia continuar na mesma melancolia. Melhores dias virão, pensou ela. A maré de azar iria passar e apenas dias gloriosos, grandiosos e cheios de sorrisos em seu redor viriam, e preencheriam todo o seu tempo, preencheriam todo o vazio que estava dentro dela.
Por mais que ela quisesse pegar no telefone e ligar pra quem tinha deixado o seu coração em cacos, não conseguia. Sabia que tinha que ser mais forte que tudo, mais forte que todos, e sabia que ia conseguir.
Ela era imparável, destemida, sonhadora.
Ele tinha atravessado todas as carruagens, viu-a no último lugar dessa carruagem e ela reparou na presença dele, ali no comboio, a olhar pra ela. O revisor apareceu e pede-lhe o bilhete, ele não o tinha e teve que sair na estação que o comboio tinha parado naquele instante. Ambos estavam com o coração nas mãos: ele ao ver a rapariga mais linda dos seus olhos a ir embora, naquele comboio, e ela ao ver que ele tinha passado todas as barreiras só pra estar com ela, para escreveram mais páginas da sua história.
Com a partida daquele comboio, para ele era como se ela estivesse a ir embora dos seus sonhos, dos seus pensamentos, do seu coração. Ele não a podia deixar, amava-a demasiado mas não restavam opções. Pegou no telefone, procurou o número dela e ligou-lhe. Ela estava do lado de dentro do comboio e viu-o a ligar pra alguém, esse alguém era ela. Ela atendeu e ele disse, com voz desesperada as palavras mágicas e apaixonadas: "Eu amo-te".
Ela apenas sorriu para o lado de fora da janela, onde estava o rapaz, a sorrir também, junto ao ultimo banco da estação.

5 comentários:

  1. O texto está lindo, CG <3

    Amei o texto, completamente :$

    ResponderEliminar
  2. Este texto está um espectáculo.

    Parabéns :@

    ResponderEliminar
  3. Este texto é surpreendente, adorei!

    ResponderEliminar
  4. Oh, desculpa se pôs alguma coisa parecida com as tuas.
    Tens muito jeito para escrever :)

    ResponderEliminar
  5. Tudo o que escreveste neste texto e nos outros anteriores é verdade? Se for, o amor existe mesmo, coisa que já não acredito..

    ResponderEliminar

Olá! Diz-me tudo o que quiseres :)