Obrigada pelo que me ensinaste, apenas

E durante mais de um ano eu fui essa rapariga, em tempos passados, e não é que eu esteja a tentar relembrar o passado, porque não estou. Estou só a tentar encaixar algumas peças que se perderam no puzzle, no tempo, na história. E muitas histórias não batem certo e isso atormenta-me de vez em quando, quando me lembro, e, nessas vezes, uma leve e subtil inquietação cresce em mim, e não é por gostar de ti, porque essa fase já passou à história à muito tempo. A inquietação cresce porque a incerteza de que tudo fosse verdade ou não vem ao em cima, muito de vez em quando. Uns dizem que gostaste verdadeiramente de mim e que não haverá outra pessoa que te ature e respeite o teu espaço e como tu és como eu, outros dizem que tu te queixavas de mim a torto e a direito e que eu era uma criança e que já não me suportavas, e, no entanto, a verdade é que não sei em qual das versões acreditar por isso ignorei, durante muito tempo (e ainda ignoro), ambas as hipóteses porque para a primeira versão, eu não queria pensar que quem ama magoasse o outro da maneira que tu me magoaste a mim e na segunda versão são queria pensar que mais de um ano ao todo seria tudo fachada, seria tudo mentira e até eu própria seria uma mentira por ter vivido nela, sonhado com ela, acreditado em nada mais do que nela. Toda a gente sabe que sou uma miúda idiota que acredita em tudo o que lhe dizem se lhe parecer possível. E a verdade é essa, eu confio nas pessoas, penso sempre que têm coração e querem o bem de todos os que as rodeiam. Mas tu, na altura, vieste quebrar isso, vieste destruir os meus sonhos, vieste pôr em causa tudo, até as lágrimas que insistiam em cair dos meus olhos.
Ridículo pensarmos que somos uma mentira, e logo eu que detesto mentiras e mentir é daquele tipo de coisas que quase nunca faço. O tempo passou, quase mais de meio ano e conheci novas pessoas, aprofundei conhecimentos noutras e apaixonei-me por quem já conhecia bem e a verdade, meu caro, é que pôr um ponto final definitivo no livro que já tinha início em 2007 ou 2008 só me fez bem! Libertei a alma, abri novos horizontes porque não me impus nenhum limite. Abri, principalmente, o coração, esse nunca se fechou porque eu assim quis! E nunca se fechou por uma razão muito simples: se não tivesse aberto a porta e as janelas ainda lá estavas tu. No entanto abri todo o meu coração, e doeu sim, abri feridas horríveis, mas o tempo cura tudo (e cura mesmo), apazigua a alma e sara as feridas e tu foste mais uma ferida, a maior de todas por enquanto (porque ainda sou nova), mas, ainda assim, foi mais uma.
Hoje, agora, agradeço-te por tudo o que me ensinaste, por me teres dado a conhecer o que eu sou por dentro, por me teres posto a pensar e algumas vezes, por me teres libertado o espírito e a cabeça para as coisas boas e para as perguntas sem resposta. Obrigado por me ensinares que o melhor é sentir, fazer, mostrar, que não é preciso dizer-se o que é óbvio quando se mostra, (pena é que não tenhas mostrado lá muitas vezes, faz parte de ti, eu sei), embora eu precise constantemente de escrever para sentir e sentir para escrever. Obrigado por me teres mostrado muitas coisas que tu nunca tinhas pensado que me tinhas ensinado essas coisas todas. Foste um bom professor, namorado é que já não. Ainda assim, desejo-te toda a sorte do mundo, segue sempre o que sentes, eu segui o que senti e não me arrependo de nada.

Um abraço de agradecimento ao passado que eu não quero que volte mais.
Um beijo demorado ao meu príncipe encantado de hoje em dia e de hoje pra sempre,
e ainda mil risos e sorrisos, abraços e beijos às minhas princesas que morro de saudades delas.

Comentários

  1. perfect.
    não há um dia que me deite, e não pensa no 'meu' príncipe, nas palavras que trocávamos.
    cada dia há sempre uma lágrima que me cai, ao relembrar bons momentos.
    e no final ainda o amo.
    só espero que seja temporário.
    saudades, é a única coisa que consigo dizer.
    love is hard, but when we live it, it's much easier ♥
    c soares.

    ResponderEliminar
  2. eu percebo o que me dizes, em tempos também senti isso, faz parte, mas tudo no final fica bem. Se ainda não está tudo bem é porque ainda não é o final. Atenção que o final não tem de ser necessariamente ficarem juntos.
    Mas algo que nos distingue bastante é que enquanto tu ainda o amas eu já não amo de todo este rapaz. Ele ensinou-me muito, mas a vida é pra seguir em frente e o mundo não acabou, até porque, agora, neste preciso momento estou bem feliz porque acreditei novamente no amor, e este é um amor novo que me fez vive-lo de forma diferente, vê-lo de forma diferente.
    As pessoas conseguem sempre tudo, basta acreditarem e quererem.
    Se não acreditares não consegues, e se não quiseres também não chegas lá. As duas bases são essas mesmo: quereres com muita força e acreditares que consegues e no fim serás uma pessoa nova, com um coração novo e uma vida nova pela frente, e vais ver que a tua nova fase é tão melhor que a fase velha que vais desejar não voltar ao passado e apenas seguir em frente sempre que tropeçares e caíres.
    E com isto, aprendes a ser mais feliz ainda, e a não deixar que as coisas más te deitem abaixo.

    Um grande beijo c soares, escreve-me sempre que quiseres (:

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Olá! Diz-me tudo o que quiseres :)

Mensagens populares deste blogue

"A minha casa é o teu coração"

O lado mais triste do amor é não sentir nada

O amor é fodido