Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

11/03/2011

Há malucos pra tudo e a cada maluco sua pancada

Eu não sei a quem mais acontece estas coisas e juro que não estou a ser convencida mas estou convencida que foram os 20 minutos mais estranhos da minha pequena vida! 20 minutos desde a estação em que embarquei até à estação que o jovem entre os 20 e os 25 anos saiu.
Quando entrei ele já lá estava porque eu sentei-me no único lugar vago da carruagem, na diagonal dele, junto à janela, como quem "vai de costas" (e como a muita gente "enjoa" ir assim mas a mim é-me completamente igual). Repito que não estou a ser convencida, mas o jovem fixou o olhar em mim em todo o caminho! Eu às vezes tenho a sensação que estou a ser seguida ou observada quando estou na rua, mas isso são coisas da minha cabeça porque eu detesto andar sozinha, seja de dia ou de noite.
Pedi licença pra me sentar e disse "desculpe" sempre que tocava em alguém ou seja, incomoda-las, porque se gosto que as pessoas sejam educadas comigo, então sou educada para todas as pessoas também. Sentei-me no dito lugar e como vinha com o livro que ando a ler (Onde Reside o Amor, de Margarida Rebelo Pinto) na mão abri e continuei a minha leitura na página marcada. Antes de começar a ler ou fazer seja o que for, gosto de olhar em volta pra ver quem vai no comboio, não sei porquê, é o hábito de ir e vir sozinha e assim sinto que "não estou sozinha". Reparei que realmente a carruagem ia muito cheia mas como era normal àquela hora nem liguei muito. O dito sujeito com os seus grandes olhos azuis, da cor do céu como não há muitos mas eu tenho dois amigos que têm uma cor dos olhos parecida, não parou por um instante de olhar para mim ou para o que eu estava a fazer. Ao início achei estranho, mas pensei que ele pudesse estar a tentar perceber o que eu estava a ler, no entanto, como estava do lado oposto e à sua direita, ele não conseguiria ler nunca o que eu estava a ler, então risquei essa possibilidade de imediato. De seguida pensei que talvez a minha música tivesse muito alta, então baixei o volume para não incomodar o senhor nem os restantes passageiros, mas ao fazer este gesto olhei ligeiramente para o senhor e o certo é que este continuava a olhar e comecei a ficar extremamente desconfortável com a situação. Bem-educada como sou, sempre me disseram para não falar com estranhos (e aprendi à minha maneira que nem mesmo para perguntar "tem algum problema comigo?" ou "mandar a dica" como é usual nos jovens da minha idade de "quer uma fotografia pra ver melhor?!") e fingi que não percebi (como faço tão bem e tantas vezes para não me chatear ou para não derivar certas situações estranhas) e fingi que o senhor não estava a olhar pra mim, concentrei-me na minha leitura e esqueci-me do que estava a minha volta.
Eu sei que as pessoas normalmente não andam com DIVORCIADA, TRABALHADOR-ESTUDANTE ou VIOLADOR na testa, mas o certo é que nunca podemos julgar um livro pela capa, porque o senhor era bem parecido, mas que me estava a assustar muito, lá isso estava!
Agora até posso brincar e dizer que o senhor apaixonou-se à primeira vista mas nem sou lá grande coisa à vista pra alguém se apaixonar só de olhar! Passado 20 minutos de observação (e que longos foram esses 20 minutos! - foi pior que ir ao médico!) a paragem do senhor estava a chegar. Apercebi-me que o meu pequeno "pesadelo" ia acabar depressa porque vi-o de esguelha, pelo canto do olho, a compor-se e a levantar-se, ficando junto às escadas pra descer até à porta, mas nem nas escadas o raio do homem parou de olhar!
Isto só a mim é que me acontece e, pra grande azar o meu, acontece sempre quando estou sozinha! Uns dizem coisas da vida, eu cá chamo-lhe karma porque acredito mesmo nisso, mas mesmo assim o karma trocou-se porque eu não fiz mal a ninguém.
O bom mesmo é ter cuidado e não dar conversa nunca em casos suspeitos porque há malucos pra tudo e a cada maluco sua pancada.

3 comentários:

  1. Ufff, juro-te estava a ver que nunca mais acabava :b
    Mas esta muito bom, gosto particularmente desta frase "fingi que não percebi (como faço tão bem e tantas vezes para não me chatear ou para não derivar certas situações estranhas" está muito gira esta frase..
    Gostei muito !

    ResponderEliminar
  2. ca granda filme, secalhar só te achou bonita e como provavelmente achou que dificilmente te voltaria a ver, aproveitou pra olhar tudo naqueles minutos -.-'

    ResponderEliminar
  3. Mesmo! Porra, preferia que me achasse um monstro!

    ResponderEliminar

Olá! Diz-me tudo o que quiseres :)