Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

14/09/2011

O naufrágio de um ser


Pele pálida, quase branca e eu via nos teus olhos escuros perdidos que tinhas perdido a razão, que tudo em ti era vão e que sonhos tanto vêm como vão. Eu sei que querias voar mas tu tinhas perdido as asas, os teus pés pesavam toneladas e o coração estava fechado, vazio, à deriva, perdido na grande e bela Lisboa. As pessoas passavam por ti mas tu não vias, tu não rias, não sentias, não estavas mas eu olhava, por entre a janela, com curiosidade ou apenas bondade invadida em meu coração.
Oh rapaz, quem te deixou no teu barco à deriva? Quem te afundou os sonhos e afogou os sentidos? Quem te naufragou?
O vento assobia cada vez mais alto e as marés viram como quem vira uma página. Mas tu não sabes do teu livro, nem do teu ser e a razão já não é razão para os ventos e as marés da vida. E tu não te ergues, não te mexes, não falas: só olhas para as marés que levam os barcos onde tu não foste capaz de velejar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Olá! Diz-me tudo o que quiseres :)