Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

23/03/2013

Estamos perdidos

É noite. Tentas beijar-me, eu afasto-me. Pegas na minha mão, estás gelado e dizes coisas que nunca imaginei saírem-te da boca. Tenho medo. Tu também tens. Estamos os dois perdidos: no mundo, na vida e um no outro. Penso se algum dia encontraremos o nosso caminho, se nós dois valerá a pena. Eu tentei fugir, o máximo que consegui, mas tudo o que consegui foi uma distância que nos fez ter saudade que não se apaga. A saudade é sempre impossível de apagar. Haverá sempre aquela força que não se explica, que numa noite liga e no outro dia não desata. Parece que se passaram anos desde que te conheci e  nossos corpos se fundiram como a chuva se funde no oceano. Não, não é só o corpo que se funde, é a vontade que o corpo tem, aquela vontade irracional porque nestas coisas do amor a cabeça desliga e só o coração manda, aquele feeling bom dentro de nós que é constante quando estamos perto um do outro e que aumenta quando estamos longe. Ainda ontem te vi e já me queres amanhã. Morremos de saudade porque estamos sempre com saudades, porque a saudade não vai embora. Não, não é só corpo, não é só uma atracção física que nos une: é a conexão entre mentes que é rara e que existe connosco,  porque eu sei como tu és e tu sabes como eu sou - e nenhum de nós pensa em apontar defeitos; nós aprendemos que isso é o que define um ser.
Eu gosto da luz do dia que me permite ver-te na claridade e na totalidade, mas a noite tem magia, é a noite que nos transforma e nos liberta, é a penumbra que nos une mais e mais porque à noite as imagens do dia são disformes. Eu e tu fartos dos que é linear. Somos loucos, somos impossíveis mas estamos ligados como não conseguimos com nenhum outro.
Não consigo tirar a cabeça imagens que me deste, frames tiradas de filmes, o sol a beijar-me o rosto entre os estores, a minha cabeça nos teus ombros...
Sinto a arritmia quando te vejo e o coração a explodir quando os nosso lábios finalmente se encontram. E nunca me senti com tanta euforia nem com tanto medo na minha vida. Gosto dessa euforia porque é a maneira que tenho de sentir que estou feliz. Gosto desse medo, porque me faz perceber que estou viva, que o coração bate e que me fazes sentir que afinal existo.
É noite, estamos perdidos porque não sabemos que caminho devemos tomar, mas sabemos que estamos perdidos um no outro, sem estar junto um com o outro.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Olá! Diz-me tudo o que quiseres :)