Separadores

ATENÇÃO

Este blog é pessoal demais. Este blog dá de si e do seu espaço, da sua liberdade, do seu pensamento e, sobretudo, do seu coração.
Acima de tudo: "Eu escrevo como falo, como sonho, como penso."
Por isso SEGUE O QUE SENTES.

13/12/2014

O nosso segredo

A minha pele só veste os beijos que me dás. Só contigo é que sou capaz de ter calor. Aquele calor por dentro. Aquela vontade cega de saltar para o teu colo e beijar a tua boca. Só contigo é que sinto que sou capaz de atravessar o mundo e perder-me nele e ser dele e ser tua em qualquer parte. É só contigo que sei o que é ser feliz e ser amada e ter conforto e adormecer com alguém a aconchegar-me os cabelos. Só contigo é que me deito no teu peito, ouvindo o bater calmo do teu coração e acordar com a certeza de que ainda vais lá estar. E acordar-te com mais um ataque de beijos e ficarmos horas a conversar enrolados nas mantas.

Eu achava que sabia o que era amar... Mas amar é afinal o que nós temos e o que nós somos por haver um nós. Mas como a gente se ama fica em segredo só entre eu e tu.


09/11/2014

Crítica é crítica, insulto é que me salta a tampa!

«18 de Março de 2010,
Catarina, Tu és musica pra mim, és um conjunto de sons harmoniosos e equilibrados que eu quero e escuto com toda a atenção para não perder nada, nada de nada. As tuas palavras inspiram-me e aguçam a vontade de escrever. A tua voz dá-me vontade de cantar bem alto, mas só tu puderes ouvir bem de perto. Dizes as palavras mais confusas pra mim, mas no entanto adoro ouvir-te dize-las. O silêncio dos nosso olhares atropelam tantas palavras ditas nesses instantes porque "os olhares falam as palavras que boca não pronuncia, é a nossa magia, o nosso sentido mais apurado." Tudo me encanta, tudo me fascina: tua magia, tua garra, tua pureza, tua doce doçura tão dócil como tu.
Não esqueças quem nunca te esqueceu, não deixes de sorrir para aqueles que sempre te amam.
E com isto digo-te que te amo minha Catarina, porque a ti é mesmo pra sempre.»

--

PS: as aspas não constavam neste texto quando foi escrito pela primeira vez. Esta correcção chegou no dia 9 de Novembro de 2014 (4 anos depois de o ter escrito) porque o seu "verdadeiro autor" pesquisou a sua "célebre e originalíssima frase" no google, encontrou o meu blog e deu-lhe um ataque de justiceiro-implacável-não-me-venham-copiar-que-fico-chateado, resolveu escrever-me um "delicioso" comentário a chamar-me miúda sem originalidade, que não sabia nada de palavras, que precisava das palavras dos outros para ser mais criativa... e blá, blá e mais blá...
Ora meu caro, eu tenho muito respeito por aquilo que não é meu! Se realmente desse uma vista de olhos naquilo que não é dos outros (e sim meu), se visse o que escevo aqui ao longo destes 5 anos saberia que este blogue não fala de originalidade, não fala de ser melhor que ninguém, não fala de criatividade ou da falta dela... Fala sim do meu coração. Fala dos meus medos, mas minhas paixões, dos meus desvaneios, fala daquilo que bem me apetecer!! Acho que simplesmente ter-me chamado à atenção seria o necessário para esse meu lapso depressa ser corrigido e ainda lhe ter pedido desculpas com sinceridade... Coisa que jamais irá acontecer devido à sua arrogância... Honestamente, nem conheço o seu blogue nem nunca ouvi falar! (e claramente nem vou tentar ler quem não sabe ler os outros), o mais certo é ter visto esta frase noutro blogue qualquer que nunca encontrou nos confins das pesquisas de internet e ter-me ficado na cabeça para não ter usado aspas... Se fiz algum erro, não foi com intenção de maldade. Mas como nem o insultei, faça favor de se deixar de merdas e agradecia atenciosamente que nunca mais "voltasse cá" para me deitar abaixo.

Críticas sei aceitá-las muito bem. Insultos é que já me salta a tampa!
Enfim, Portugal dos pequeninos com gente ainda mais pequena...
Bem, palavras ("que nem as sei") para quê?!

03/11/2014

"Ainda ninguém inventou uma saudade como a nossa."

E de certeza que dificilmente haverá uma saudade e um amor como o nosso. A nossa saudade é daquela que se vai com a certeza de que se voltar. Com a certeza de que se volta para um peito quente onde os nossos sonhos repousam. Uma saudade de voltar com uma sede de matar essa saudade, uma sede de quem se ama perdidamente um no outro.

22/10/2014

Vontade de ser mais e melhor

Há muito que não escrevo nada meu para quem me lê ou ainda me visita aqui neste meu recanto. Hoje recebi um convite inesperado e que me surpreendeu de tal forma que me inspirou. Primeiro porque a pessoa que me fez o convite sempre foi uma enorme inspiração para mim e, segundo, porque quando um sentimento de felicidade tão grande, ao ponto de não conseguirmos sequer conter o sorriso nos lábios, nos invade a alma toda assim de repente, fica-se com vontade de se ser mais e melhor!
Hoje quero ser mais e melhor.
E como a melhor parte de mim és tu, hoje quero partilhar isto contigo:

Eu vejo o mundo de outra forma desde que te conheci. Ao início era tudo tão sublime, tão azul-profundo, tão pés a levitar. Ao início era um mar de rosas, eram noites agarrados entre sonhos e esperanças de tempos eternos, eram suspirar para que houvesse mais um dia no Verão, mais uma hora em cada dia, mais um dia em cada mês... Era querer mais e mais e sempre mais. Connosco existe essa sede que não cessa, essa vontade de ser mais e ser melhor connosco próprios e ser mais e melhor um com o outro, um para o outro. Ao início eram pés descalços e jantares longos. Nunca houveram flores compradas ou bom-bons no Dia dos Namorados. Houveram sim muitos beijos roubados e flores apanhadas num jardim regado horas antes. No início, tal como agora, há sempre um cheiro a fresco, a novidade. No início haviam muitas coisas. Agora ainda há mais. Sempre fomos alimentados com esses mais que nos adicionava-mos. Sempre nos fomos adicionando: eu adicionei-te e tu a mim. Eu dei-te sensatez e um coração mais quente. Tu deste-me aventura e um coração mais acelerado. E ambos nos demos uma casa, um porto-seguro, onde somos almas gémeas ou almas que se pertencem.
Ontem lia eu, mais uma vez, a crónica sobre as almas gémeas do senhor escritor Miguel Esteves Cardoso, e essa ideia ficou a pairar-me, suspensa, entre o teu sorriso e o teu abraço na minha mente. A alma gémea pode ser alguém que, mesmo sem se dizerem nada, se diz tudo. Almas onde se entra de rompante na vida e nem se dá conta que a porta ficou aberta. Almas gémeas, almas que se pertencem, almas que se completam. Nas almas gémeas, não existe espaço sequer para haver ar. Só existe uma alquimia indecifrável à volta de dois corpos que não desaparece, que não se esvai, que não se vê, sequer, a olho nu. E essa alquimia toda só nós sentimos. Essa alquimia pura somos nós. Porque nenhum de nós sabe explicar o que nos aconteceu. É como se tivéssemos sido atingidos pela mesma bala, onde os nossos sangues e existência se fundissem. É como se houvesse um elo invisível atado a aos nossos dedos mindinhos.
A minha alma gémea és tu.
A melhor parte de mim és tu. Desde o início até agora.

Obrigada por acreditares sempre em mim, meu anjinho bom. 

21/10/2014

Quando nos apaixonamos...

Quando nos apaixonamos, ou estamos prestes a apaixonar-nos, qualquer coisinha que essa pessoa faz – se nos toca na mão ou diz que foi bom ver-nos, sem nós sabermos sequer se é verdade ou se quer dizer alguma coisa — ela levanta-nos pela alma e põe-nos a cabeça a voar, tonta de tão feliz e feliz de tão tonta. E, logo no momento seguinte, larga-nos a mão, vira a cara e espezinha-nos o coração, matando a vida e o mundo e o mundo e a vida que tínhamos imaginado para os dois. Lembro-me, quando comecei a apaixonar-me pela Maria João, da exaltação e do desespero que traziam essas importantíssimas banalidades. Lembro-me porque ainda agora as senti. Não faz sentido dizer que estou apaixonado por ela há quinze anos. Ou ontem. Ainda estou a apaixonar-me

Gosto mais de estar com ela a fazer as coisas mais chatas do mundo do que estar sozinho ou com qualquer outra pessoa a fazer as coisas mais divertidas. As coisas continuam a ser chatas mas é estar com ela que é divertido. Não importa onde se está ou o que se está a fazer. O que importa é estar com ela. O amor nunca fica resolvido nem se alcança. Cada pormenor é dramático. De cada um tudo depende. Não é qualquer gesto que pode ser romântico ou trágico. Todos os gestos são. Sempre. É esse o medo. É essa a novidade. É assim o amor. Nunca podemos contar com ele. É por isso que nos apaixonamos por quem nos apaixonamos. Porque é uma grande, bendita distracção vivermos assim. Com tanta sorte. 

Miguel Esteves Cardoso, in 'Jornal Público (14 Fev 2012)'

06/10/2014

Sem saber como nem saber de outra maneira

Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde.
Amo-te simplesmente sem problemas nem orgulho.
Amo-te assim porque não sei amar de outra maneira.

de Pablo Neruda

21/06/2014

#QUOTE

Gosto de pensar assim: se a gente faz o que manda o coração, lá na frente, tudo se explica. Por isso, faço a minha sorte. Sou fiel ao que sinto. Aceito feliz quem eu sou. Não acho graça em quem não acha graça. Acho chato quem não se contradiz. Às vezes desejo mal. Sou humana. Sou quase normal. Não ligo se gostarem de mim em partes. Mas desejo que eu me aceite por inteiro. Não sou perfeita, não sou previsível. Sou uma louca. Admiro grandes qualidades. Mas gosto mesmo dos pequenos defeitos. São eles que nos fazem grande. Que nos fazem fortes. Que nos fazem acordar. Acho bonito quem tem orgulho de ser gente. Porque não é nada fácil, eu sei. Por isso continuo princesa. Continuo guerreira. Continuo na lua. Continuo na luta. No meio do caos que anda o mundo, ACEITAR É SER FELIZ.»
Fernanda Mello

#QUOTE

I am not good. I am not virtuous. I am not sympathetic. I am not generous. I am merely and above all a creature of intense passionate feeling. I feel—everything. It is my genius. It burns me like fire.
— Mary MacLane, I Await the Devil’s Coming 

19/06/2014

With all my love, to you, my sweet little angel.

Eu sou paranóica. Ele chama-me filmada. Talvez eu esteja ate no curso errado. Arquitectura foi a minha quarta opção. E eu sempre disse que nunca iria ser arquitecta. Na verdade o meu sonho nunca foi desenhar paredes e vãos e portas, e que tudo se tornasse prazeroso para alguém habitar e se sentisse in home. O meu sonho sempre foi desenhar palavras num papel, onde as letras surgiam para contar uma historia. E continua a ser. Já devia ter começado há muito a escrever mesmo algo de jeito, mas sou fraca e não consigo. 
Ultimamente só sonho mesmo comigo e contigo. E a cada noite, sob o céu de estrelas e por entre a janela que deixo aberta, antes de dormir, desejo com muita força que nunca deixes de ver o brilho que eu tenho nos meus olhos, os olhos grandes e cheios de curiosidade que tu dizes que são. Nunca ninguém me disse nada mais bonito sobre os meus olhos. Eu desejo ainda acordar uma pessoa melhor, que os meus medos e as minhas fraquezas não destruam aquilo que nós somos e que, no fundo, entendas que todos temos defeitos. 
Na verdade, meu amor, eu desejo só que perdoes as minhas falhas, e que não deixes que as coisas más virem do avesso todo o amor que sentes por mim. Nunca gostei de alguém tão intensamente como gosto de ti e acho que nunca mais vou encontrar um amor que me preencha e me dê tanto quanto o teu.

Desculpa às vezes ser uma broken-piece que tu tanto consertas e ter tanto drama dentro dos pulmões e da cabeça.

Obrigada por ficares sempre do meu lado. Obrigada por nunca desistires de me esboçar um sorriso nos meus lábios. 
Por todas essas razões e mais uma infinidade delas, amo-te.
Obrigada.

Amar-te é um privilégio. Ser tua namorada, uma honra.



08/06/2014

The person i am

"You're all I care about," I said. "No. And me. The person I am when I'm with you, the way I see myself and know myself. That person who lives only when I'm with you."
That person i see in the mirror makes me realize that nothing in life really matters it we aint got love. That little things no one ever could try to change. Because love really matters. I believe in that.

09/05/2014

O amor nunca deixa de ser amor

Ela tinha um namorado que conheceu aos 16. Apaixonou-se como um adolescente e viveu esse amor das mais pelas formas durante anos. Aos 18 ele decide traí-la... Ela descobre. Ela confronta-o. Ele responde-lhe que se ela não tivesse descoberto que jamais lhe iria contar. Ela acaba com ele. Fica desolada...
Passam-se uns bons meses. Não se falam. Ela nem quer ouvir falar dele, frequentar os locais onde ele costumava estar, não quer pensar nele, como se alguma vez ela tivesse deixado de o amar... E eu via-a, a miúda mais linda e mais infeliz que eu conhecia, que já não sorria, que tinha perdido aquele brilhozinho no olhar de quando o amor preenche o sangue todo e inunda a alma. Perderam o contacto durante meses e meses. Até que ele do nada manda-lhe uma mensagem. A Mensagem... E ela fica apavorada, nervosa, o coração de repente começou a bater mais forte que o viajar da luz, sentia toda a cara ficar a ferver e as mãos suavam. Sem saber o que responder ou, como mulher que era, de responder demasiado depressa ao homem que lhe quebrou o coração em mil pedaços, não respondeu... Durante horas... Finalmente estava mais tranquila e respondeu-lhe... E meses depois voltaram. Não ao que eram, mas ao que iriam ser e que são até hoje.

Eu não entendia como é que ela tomava a decisão de voltar pra ele depois de tudo o que ele lhe tinha feito e dito... Questionava-me vezes sem conta para onde é que tinha ido aquela garra do "ninguém me pisa" que ela tanto emanava... Ao que ela responde: 
«Eu agora tenho o poder de decidir o que é que eu quero para mim e quem é que eu quero para mim. Ele agora já não me pode enganar mais porque eu agora sei com o que é que posso contar. Ele desiludiu-me e desiludiu todo aquele amor de conto-de-fadas que eu julgava viver com ele. Sem ele sinto-me a pessoa mais infeliz à face da terra e, com ele, sou menos infeliz. As coisas já não são as mesmas, o amor já não é igual. Mas nem por sombra de dúvidas deixa de ser amor.» 
Ela já não era ela sem ele. 
Aí eu entendi realmente que tudo na vida muda, todos os dias, os dias deixam de ser os mesmos. O calendário avança, as horas avançam. Já não há recuos. A vida é em frente. E só faz sentido junto daqueles que mais amamos, fazendo as coisas que amamos. Ás vezes basta ser feliz só de estar junto. E eu fico feliz por ela. Ela caiu, aceitou a mão dele que lhe pedia para ficar junto dela, levantou-se de mãos dadas. Ela que cresceu e tornou-se numa mulher que eu admiro e que me ensinou a amar mesmo nos defeitos.

A ela, um beijo enorme. De sempre. Para sempre.
Ao meu amor, amo-te, até mesmo os defeitos mais feios que são os mais especiais. [São os defeitos que nos definem. ❤️]
Há dias que quase não ouço a tua voz e, quando finalmente vens, incontactável, intocável, de lá longe, eu sinto-me feliz de novo, respiro com calma e cresce novamente as borboletas nervosas como no primeiro dia. Esperei toda a semana por ti, como espero todas as semanas...
Passam-se horas e eu não sei de ti, viajo nas ruas, olhando para todos os rostos que se cruzam comigo, na esperança vaga de te poder encontrar. Mas tu persegues-me de longe, vês-me perdida no meio da multidão e não me dás sinais... Eu sinto o teu perfume, sinto até o arrepiar dos meus poros por todo o meu corpo com o calor da tua pele que não me toca... E pergunto-me onde estás. E o vento sussurra "estou ao teu lado". Eu olho e não te vejo. Lá longe nunca te vejo.
E se o teu cabelo crescer mais, e se a barba ficar maior, e se os olhos ficam ainda mais claros e os cabelos aloiram mais? E se ainda me amas, e se ainda me queres, e se ainda somos um, e se vais querer acordar ao meu lado, e se vais deixar o passado pra trás e seguir em frente na mesma direcção que eu...
E se... E se... E se ao menos eu pudesse mostrar o quão eu te sinto cá dentro a todas as horas do dia, talvez acreditasses em mim, um dia...

Procuro-te em todos os rostos que se cruzam comigo... rua acima, rua abaixo... E nunca entendo que estás sempre atrás de mim, como quem guia, como quem protege, como quem afasta o mal mas como quem não quer ser visto e não me quer ver...

21/04/2014

A Catarina dos quase-20

Já vou a caminhar para os 20, ainda sou uma gaiata com voz doce e leve, com sorriso a dominar o rosto e com metro e meio. Desde o meu sétimo ano que calço o 36. E o meu pé não cresceu mais. Na verdade, desde esse tempo que poucas coisas cresceram em mim: cresceu, somente, aquilo que faz de mim uma mulher. E cresceu também a vontade de envergar esse estatuto! Cresceu o gosto pelas roupas, eu que tive uns anos armada em Maria-Rapaz. Nos tempos livres passados em casa da minha avó materna inventava roupas que a minha ela me ensinava a fazer e coser. Desde cedo o gosto pelas roupas se desabrochou e que ainda hoje perdura. Já a minha querida avózinha era Modista de Alta Costura em Lisboa. Ensinou-me na costura tudo o que sei hoje e a ela lhe devo isso!
Fazendo uma retrospectiva de mim mesma, cresceu, também, nessa vontade de ser mulher, uma confiança em mim própria depois de ter todo o meu orgulho e coração despedaçado. Foi a primeira vez que não me sentei à tona de mim própria e tomei a posição de nunca mais deixar que nenhum rapaz fizesse de mim gato-sapato! E eu chorei muito... Mas ergui-me firme muito mais! Aos 16 as roupas deixaram de ser largas, os casacos e as sweat-shirt's deixaram de ser o S da secção de homem e passei ser mais menina... Mais eu... Mais calções e tops, primeiro o rímel, depois o lápis, depois como aplicar devidamente um creme de olheiras e só mais tarde é que afirmei o batom! A primeira vez tinha 18 anos, talvez. Já tinha confiança total em mim. Eu já sabia quem eu era, em quem me tornara, já me conhecia e já conhecia quem circulava à minha volta. Felizmente, andei numa escola secundária em que não havia pressões de estilos, cada um era como quisesse ser e vestia-se como lhe bem apetecesse. Acho que foi aí que deixei de ter medo de mim própria e decidi ser quem eu quis ser. Ter mudado de escola, o que ao início era uma mudança radical e nos primeiros dias uma catástrofe, tornou-se na melhor decisão da minha vida e essencial para quem eu sou hoje. Se não fosse essa escola, dificilmente estaríamos juntos agora.
Passados os anos de descobertas do "Eu", hoje sou a Catarina determinada, que gosta de desafios, que ainda faz tempestades num copo-com-água mas que rapidamente tudo passa breve. Sou a Catarina de emoções fortes que ainda sente demais e já não vê mal nisso. Sou a Catarina que gosta e sempre gostou de risos, abraços, amores fortes e verdadeiros, amigos que perdurem e que não machuquem. Sou a Catarina que pede Sol todos os dias e Estrelas todas as noites. 
Hoje sou a Catarina, a menina e mulher que tu conheces tão bem, que já não tem medo de ser quem é à tua frente. Hoje sou a Catarina que se perdeu de amores por ti e que deixou com que trocassem metades de ser, metades de tecidos da pele e sonhos iguais de que nós dois somos feitos.
Hoje sou a Catarina que amanhã continuará a querer-te por perto, tão perto, para o resto da vida...


E se isto não for uma jura de amor eterno, que seja somente todo o meu amor por ti, aqui neste lugar meu que também te pertence, muito bem condensadinho, para que um dia, em que eu esteja mais longe do teu beijo, ainda possas lembrar-me como se estivéssemos debaixo dos mesmos lençóis.


Amo-te. E já não é segredo há muito.

Tell me, darling: Is he The One?




Yes mum, he is the one. And now, more than ever, I am really sure of it.

12/04/2014

"Porque é que estás tão calada, meu amor?"


Ás vezes gostava de ser menos eu.
É, assim mesmo: menos eu. Gostava de ser menos sensível, gostava de não chorar tanto e por tão pouco, gostava de sentir menos. Ao menos, se sentisse menos as coisas, elas não ficariam tantas vezes entaladas entre o peito e a garganta e não acabaria em lágrimas.
Ás vezes gostava de ter sempre a resposta certa, mesmo que essa resposta fosse somente silêncio. Eu calo-me muitas vezes. E eu até sou uma pessoa de falar muito! E é quando me calo que me sinto mais longe de mim mesma. E tu perguntas "Porque é que estás tão calada, meu amor?" e eu respondo "Não sei bem o que dizer." e olhas-me com reticências a pairar sobre a tua cabecinha de menino pensativo que acha que eu penso demais. 
Tu conheces-me, sabes que sou uma pessoa que gosta de pessoas e de afectos, que sinto e falo demais, que sinto demais. Tudo demais e com demasiada intensidade. E quando me calo, sentes que o mundo virou do avesso. Deves ter tanto medo do meu silêncio quando eu tenho do teu. Eu tenho sempre medo do que possas pensar de mim, quando não sou correcta contigo, quando tenho atitudes infantis, quando não te respeito da forma que tu queres e mereces, quando sou alguém que tu não conheces e que eu não reconheço. Apesar disso tudo, no fundo, eu só quero estar bem contigo e dormir com a consciência tranquila de que amanhã vou acordar sabendo que ainda me amas. No fundo, eu só queria que pusesses de parte todos os mil defeitos que tenho chapados na cara e que conseguisses ver a rapariguinha de olhar grande e cheio de curiosidade que sou eu.
Nós temos as nossas zangas e ambos ficamos desolados quando o dia termina mal, quando não dormimos na mesma posição, quando os nossos sonhos estão separados como nós.
Ás vezes penso como seria se vivêssemos juntos, como tanto desejamos no futuro (pelo menos eu desejo...): se cada um voltado para seu lado, cada um no seu lado da cama; ou se esquecemos tudo isso na hora de dormir, damos as mãos e os pés e o corpo todo se entrelaça, se damos um beijinho e dizemos boa noite como sempre fazemos toda a vez que a nossa cama é a mesma.
E tenho medo que esses dias a dois menos bons cheguem. Tenho medo que não me aguentes, que aches que não vale mais a pena, que não tenhas forças para aguentar o nosso amor e de lutar por ele, aquele em que investimos tudo aquilo que somos, porque ambos entregámos a nossa alma um ao outro.
Fiquei rendida a ti desde o primeiro dia e até à uns tempos achei difícil acreditar que eras mais forte que eu, porque era o que eu mais temia... Que fosses mais forte, tão mais forte que eu, que eu jamais conseguiria ser eu sem ti. És metade de mim. E sem ti não faz sentido.
Agora, enquanto te escrevo, desolada e com o coração (que é teu) nas mãos, penso como será o dia de amanhã... Se hei-de ir atrás daquilo que quero e que dizes que não sei saber, ir atrás daquilo que me faz feliz e amo ou se hei-de ficar quieta e calada, como aquela Catarina que não sou eu e que gostava mais de ser.
Essa Catarina é certamente mais calma, mais ponderada no que diz e faz. Certamente, uma Catarina que tu gostarias mais...
Amanhã não sei que Catarina vou escolher ser. Mas hoje sou a Catarina que te ama, com toda a alma que ainda tenho e espero (e desejo com muita força) que logo, quando te deitares na cama onde partilhámos mil noites e mil sonhos, ainda me continues a sentir aí e a quereres-me no dia seguinte.

Amo-te.

03/04/2014

Take a chance

If you’re not scared then you’re not taking a chance. If you’re not taking a chance then what the hell are you doing anyway?
— Ted Mosby, “How I Met Your Mother”

01/04/2014

amore mio

«Desconfio tanto de gente que grita amor aos quatros ventos, que adora expor o que sente o tempo todo, e nas atitudes deixa a desejar. E não é segredo para ninguém que o segredo é falar menos, pensar baixo, sentir de verdade, porque amor baixinho tende a ser mais sincero e duradouro. Eu adoro gritar às vezes, e já fiz bastante barulho, mas aprendi que a gente encontra paz, amor, e sossego, é no grito de dentro e no silêncio por fora. É na voz susurrante que sinto mais verdade, na sinceridade de quem cala para não gritar nada do que não sente. Se for amor - e se não for: silêncio, amore mio

27/03/2014

Uma tempestade num copo d'água

«Então tu olhas para o meu copo d’água e dizes: “eu sou só um copo d’água, mas tu ficavas a olhar-me e a pensar nas bolhas e nos gelos e nos canudinhos e na transparência e se a água era isso ou aquilo. Água é só água, por que é que tu complicas a água?”. Então, apagaram a luz e eu quis esconder-me dentro do teu paletozinho de publicitário descolado e ouvir as tuas batidas descompassadas e embaladas pelo teu cheiro de alma boa. Mas tu pegaste na minha mão e continuaste a dizer que uma mão, muitas vezes, é apenas uma mão. Mas que eu insistia em olhar os buracos entre os dedos, os anéis que separavam os dedos, a dor da separação dos dedos, a gota da bebida gelada entre os dedos. E que tu não poderias suportar isso. A maneira como eu te olhava. Vendo mais, inventando mais, complicando mais. E eu quis dizer-te que tudo bem, eu seria uma menina simples. Eu mataria o meu narrador, as minhas possibilidades, os meus mundos, as minhas invenções. Só de ver os teus cachos mais grisalhos e rococós ornando os teus medos e superficialidades, eu desejei não ser mais eu pra ser qualquer coisa que pudesse ser tua. Mas enchi o meu peito surrado e murcho de coragem e disse-te que, infelizmente, onde você era apenas um copo d’ água eu era a tempestade.»

Tu és simples, calmo, imponente, és o copo d'água. E sou complicada, sentida, quebrada, sou a tempestade. Mesmo assim, quando eu vejo o mundo de forma diferente da tua, a gente continua a amar-se mais e mais. Talvez eu nunca soube outrora o que era o amor até entrar nesta loucura repentina, à uns meses atrás, desde o dia em que te conheci em que fiquei vidrada em ti. Tudo passou a girar em torno desse belo ser.
 
Meu amor, mesmo sendo tão diferentes e vivendo distantes de segunda a sexta, não mudes nem um pingo da matéria de gente de que és feito. Porque eu gosto tanto de ti assim, tal e qual.

25/03/2014

O que eu gosto em ti

És fantástico, maravilhoso até! Nós temos um entendimento que mais ninguém tem. Tens paciência para mim, para a Catarina-criança e para a Catarina-adulta. Acima dessa paciência louvável para um bicho-do-mato e mau-feitio como eu, adoro a forma como tens objectivos na vida, embora leves sempre uma vida ao sabor do vento vinda do acaso. Adoro a forma como o saber é prioritário e insaciável e queres sempre saber mais. Gosto que gostes de documentários, de filmes, da magia, do sonho, da arte, da vida. Gosto que me olhes com uma ternura tão doce com aquele sorriso fugido no canto dos lábios. Aquele olhar de quem pertence sem se ser dono. Gosto de dormirmos sempre agarrados, seja numa cama minúscula ou numa gigante, mesmo com 40 graus debaixo dos lençóis. Gosto de como pensas sobre a arte, sobre as coisas, sobre a vida. Gosto que penses. Que sejas inteligente, sobretudo. E ainda que tenhas aquela piada que deixa qualquer miúda caídinha. Apesar de não achar tanta piada quando as miúdas te acham piada... Gosto de como alinhas nos meus pensamentos mais triviais e nas minhas brincadeirinhas de gente pequena. Gosto que gostes de mim, como sou, sem artifícios nem postiços. Gosto do teu andar imponente, do teu ar de menino quieto mas da tua alma louca. Gosto de ti porque me fazes sentir viva, como eu já não sabia sentir há muito. Gosto que me faças sentir que eu sou óptima na minha própria pele, quando saio do banho onde lavei toda a maquilhagem e o meu cabelo, ainda molhado, não está perfeito. Gosto que me faças sentir que eu posso ser eu própria e ter mil defeitos estampados na cara que tu não vais mudar a forma como me vês. Tu dizes que sou bonita tal como sou. E eu, agora, acredito. Gosto que me ames na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na proximidade e na distância, confiante ou toda quebrada em pedaços. 
Na verdade, és tu que fazes as peças encaixarem todas e fazes com que agora eu entenda o que é viver de amor... Morrer de amor eu não sei, ainda. Mas viver... Oh, viver, eu vivo deste amor!

"Nós nunca sabemos se vai durar uma noite ou uma vida inteira" mas enquanto acordares do meu lado, todas as manhãs eu vou continuar a saber viver de amor, sem precisar de mais nada. Nem ninguém.

Alma inquientante

O meu coração não sossega, a minha alma desatina. Sou um ritmo apressado, fugidio, sinto a complicar o simples. Vivo a vida aos atropelos sempre que vais... 


...Mas a paz sempre vem quando voltas com ela e me abraças de novo.

11/03/2014

Totem

Quando há algo que nos abate, o que conta é termos algo que nos faz querer continuar a erguermo-nos a nós próprios.

«E no final de contas o que conta é como lidas com aquilo que te afronta e se estás pronta para a faca e ter de ouvir que és uma farsa, feia e fraca e conseguir sobreviver a tudo aquilo que te mata, e como a nata conseguir vir à tona enquanto os outros nem se notam, porque és mais forte do que aqueles que te atacam e tens a sorte de ter o Hip Hop como um totem."»
de Capicua, in Totem


09/03/2014

Aos poucos tudo torna-se mais simples

Passam-se anos desde que já não és criança. 
"De repente tudo vai ficando tão simples que assusta. A gente vai perdendo as necessidades, vai reduzindo a bagagem. As opiniões dos outros são realmente dos outros e mesmo que sejam sobre nós, não tem importância. Vamos abrindo mão das certezas, pois já não temos certeza de nada. E, isso não faz a menor falta. Paramos de julgar pois já não existe certo ou errado e sim a vida que cada um escolheu experimentar. Por fim entendemos que tudo o que importa é ter paz e sossego, é viver sem medo, é fazer o que alegra o coração naquele momento." Se possível ter alguém pra partilhar sorrisos, beijos e momentos. Se possível ter amigos verdadeiros que são aqueles que nunca foram. 
E só...

22/02/2014

Se tudo correr mal...

''Amo-te tanto, mas hoje tenho de levar o carro ao mecânico, as rodas fazem um barulho estranho, não deve ser nada mas é melhor prevenir, amanhã prometo que vamos ver que tal se come naquele restaurante novo junto à rotunda, e depois levo-te ao cinema, ai não que não levo.
Amo-te tanto mas hoje tenho de ver o treino do miúdo, o treinador ligou e disse-me que temos craque, o nosso menino a jogar como gente grande, vê lá tu, quando chegar com ele vê se tens prontinha aquela comida que ele adora, o puto merece, ai não que não merece.
Amo-te tanto, mas hoje tenho de ficar até tarde no escritório, há aquele projecto do estrangeiro para fechar, está aqui tudo perdido de nervos, não sei se aguento, daqui a pouco ligo-te para saber como vai tudo, o miúdo e as coisas aí em casa, agora tenho de ir mostrar a esta gente toda como se trabalha, ai não que não tenho.
Amo-te tanto, mas hoje tenho de me deitar cedo, amanhã é aquela reunião importante de que te falei, se conseguir o cliente vamos ser tão felizes, aquela casa, o carro novo, quem sabe?, só tenho de o conseguir convencer, tenho tudo prontinho na minha cabeça e nada pode falhar, vamos ser ricos, é o que é, ai não que não vamos.
Amo-te tanto, mas hoje não estás, cheguei à hora combinada para te levar a jantar e tu não estás, o miúdo também não, deve estar no treino, deixa-me cá ligar, ninguém atende, nem tu nem ele, provavelmente deves estar a preparar alguma, sempre foste tão assim, cheia de surpresas, daqui a nada entras pela porta e dizes que me amas, ai não que não dizes.
Amo-te tanto, mas hoje tenho de assinar este papel, olho-te e peço-te perdão, prometo-te que não vai haver mais mecânicos nem treinos nem clientes estrangeiros nem reuniões entre nós, garanto-te que te quero acima de tudo, olho-te mais uma vez nos olhos e procuro acalmar o que te dói, mas tu só dizes para eu assinar e eu assino, as mãos tremem e até já uma lágrima caiu sobre elas, o nosso filho quando souber vai chorar como um menino pequeno outra vez, o nosso craque, podias ficar pelo menos pelo nosso craque, ou pelo menos por mim, para me manteres vivo, Deus me salve de não te ter comigo, sou uma impossibilidade se não te tiver para gostar, ai não que não sou,
amo-te tanto mas hoje não tenho nada para fazer, a casa escura, um silêncio vazio e nada para fazer, apenas esperar que te esqueças de mim e me voltes a amar, e eu amo-te tanto, ai não que não amo.''

Porque se tudo correr mal, esquece-te de mim e volta a amar-me. Como desde o primeiro dia me amaste.

Desilusão

Desilusão não é quando alguém não corresponde ao que queremos. Não é quando nos dizem "Não". Não é quando alguém nos parte o coração. Isso é outra coisa.

Desilusão é quando desiludimos alguém que amamos acima de tudo e que nos ama também. Isso sim é desilusão. O sentimento de que fazermos merda e dizemos bobagem e essa pessoa não fica chateada, fica triste. Não há desilusão maior que ver ou sentir o olhar triste de alguém que tem os olhos mais lindos que já vimos.
Desculpa. Amo-te.

19/02/2014

Desorientada

Mas tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo. Quero sempre ter a garantia de pelo menos estar pensando que entendo. Eu não sei me entregar à desorientação.
Clarice Lispector

Sem ti estou tão desorientada...Pela primeira vez deixei Lisboa, deixei este encanto, nada me fascina quando olho em redor. Tudo me parece seco, frio, vazio, sem sentido nem beleza, sem brilho, nem ponta por onde se lhe pegue. Quando olho, sinto que, quando não estás, não está nada afinal. O meu corpo está em Lisboa. O meu coração está em Bruxelas.

11/02/2014

Sobre o amor

«He is about to risk it all to win the game of his life.
It will take him confidence and courage to make the leap, beautifully.» Lacoste

O amor sempre foi e sempre será um precipício... Um precipício onde nunca saberemos se estará alguém lá em baixo para nos segurar. Aquele alguém que passamos os dias a sonhar, o alguém que desejamos quando estamos prestes a dormir, o alguém que ansiamos os lábios, os abraços apertados, o corpo, o calor...
Saltamos com muita força, com balanço, impulso e de olhos sempre fechados. Nunca sabemos se a queda será dura demais para ser difícil de levantar ou será boa o suficiente para nos fazer levitar numa felicidade imensa.


Não importa se há mesmo alguém a segurar-nos lá em baixo porque, pelo menos, nós tentámos a felicidade...


#Feliz Dia Dos Namorados

05/02/2014

O maior erro de toda a humanidade 
é achar que há alguém que 
cure as nossas feridas 
e resolva os nosso problemas. 

04/02/2014

«Você não precisa de alguém que te dê 24 horas de atenção. Você não precisa alguém que concorde com tudo que você resolva fazer. Você não precisa de alguém te mandando mensagens de madrugada todas as noites. Você não precisa de alguém dizendo que o ama de 5 em 5 minutos. Você só precisa de alguém que te aceite e não te mude, que mesmo tendo outras milhões de opções, ainda escolha você.»
De Romulo Assis

Se tu escrevesses...

«Hoje queria ler-te. Saber aquilo que de mim pensas. Saber como me gostas e de que forma me precisas. Que me oferecesses os teus medos para eu os dissipar. Que me mostrasses as tuas certezas para os meus receios desaparecerem.

Hoje apetecia-me ler-te. Conhecer-me pelos teus olhos. Entender por que razão gostas de mim. Descobrir o que te cativa.

Hoje apetecia-me que fosses tu a escrever.
Que me dirias?»


Por Rita Leston, encontrado aqui

01/02/2014

I choose you

I had a past but, for you, I deleted it. Because you are my new begining. You are my chance to be better, love better, build something from the start with someone. I choose you.  I let you be my future. And left my past life behind. I never did this with anyone.
This is a love proof. You better grab me tight and don't let me without a future.



Someone told me we all have a million possibilities of our life and it's what we choose that make our desteny. Every single day i choose to be part of this love. It's you that I choose every morning. It's you who I think when I'm abot to sleep. You are in everything I do. You make the other half of me that was left.

14/01/2014

Tu...

TU
Enlouqueces-me maravilhas-me atrapalhas-me apaixonas-me cegas-me confundes-me. Tu inspiras-me.
Tu tu tu tu tu tu tu tu tu tu tu .....
Quero tanto de ti e tão próximo que anseio que fosses o ar, o chão, as paredes, tudo.
Que tudo o que tocasse fossem os teus braços.
Que tudo o que sentisse fossem os teus lábios.
Como quando fecho os olhos e tudo o que não vejo és tu.
Como quando não durmo e tudo o que sonho és tu.
Contigo não consigo respirar. Sem ti não consigo viver.
Quero estar tão dentro de ti que nem a luz do dia exista para mim.
Quero abraçar-te tanto que todo o mundo colapse e desapareça num pequeno ponto entre os meus braços.
Toca-me com as tuas mãos.
Faz-me desaparecer com a tua pele.
Sufoca-me na tua língua.
Arrasta-me pelo ar com o teu perfume.
Mata-me de vez.

Tu
se fosses chuva, do céu só cairiam pérolas ...
E até o chão gritaria de prazer.

~ Maria Teresa Horta


[PS: eu acho que este texto já apareceu aqui antes, mas não deixa de ser lindo e, quando apaixonada, intemporal.]

05/01/2014

Promise me you'll stay

Promise me you will stay.

Promise me you will stay,
no matter why,
no matter how,
no matter what the hell that will make to you,
just promise me you'll stay...

Promise me you stay
until your lungs collapse
until you have no more breath
until you heart fade away
and your eyeslids shut down to the rest of the world.

Please, promise me you'll stay
'cause you've been all my reasons not to go.